MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews The process cannot access the file 'D:\home\site\wwwroot\Visitas2.xml' because it is being used by another process. 2019: 2196021
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Download e documentação essencial: Active Directory Design Guide

Foi disponibilizado para download no dia 1º de março um guia de implementação e design do Active Directory. A noticia foi divulgada no blog do Keith Comb(http://blogs.technet.com/keithcombs/archive/2010/03/26/active-directory-design-guide-now-available-for-download.aspx) e o download está disponivel em http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?displaylang=en&FamilyID=88f0184c-8f03-4f0f-b3f9-5109255fb461.

Eu baixei e "folheie" o documento e notei que ele é muito bom e explicativo. O que mais destaca é a variedade de fluxogramas, diagramas e apendices que o livro contem. Vou enumerar algumas das partes que mais gostei:

  • Atualizado com o Windows 2008 R2 e Windows 7
  • Muito bem estruturado conforme regras de gerenciamento de projetos (MSF), com todas as fases bem definidas, desde visão até transferencia de comando
  • Os 6 apendices trazem referencias a treinamentos oficiais, links com documentação adicional e referencias a livros e resource kits
  • Os gráficos de estruturas, principalmente o da página 99, são excelentes e descrevem muito bem a integração entre funcionalidades
  • Os fluxogramas de decisão são simples, fáceis de serem seguidos e bem autoexplicativos
  • Diversas tabelas mostram tráfego de consumo, máquinas suportadas e usuários gerenciados com as diversas variações de link, configurações e funcionalidades aplicadas ao ambiente

Estes são apenas alguns dos destaques, se você trabalha com projetos de AD não deixe de ler este documento. Porem, vale um aviso: Exige-se alto grau de conhecimento técnico das funcionalidades, não adiantará nada ler este documento sem ter profundo conhecimento do AD e serviços de rede do Windows 2008 R2.

Posted: mar 27 2010, 15:19 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Windows 2008
Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'mva'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews The process cannot access the file 'D:\home\site\wwwroot\Visitas2.xml' because it is being used by another process. 2019: 2196021
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Campanha Microsoft Certifica Você

Muito interessante participar desta campanha, que dará a oportunidade de sorteio de produtos e vouchers de exame: http://technet.microsoft.com/pt-br/dn630262

Foram selecionados 5 MVAs que permitem aprender mais do Windows 2012 e System Center, alem de instruções para utilizar os Virtual Labs da Microsoft.

Não deixe de participar!!!!

A campanha Microsoft Certifica Você, vai te dar 1 notebook, 5 licenças do Windows 8 PRO e 30 vouchers de certificação Oficial Microsoft! Para isso, é só montar o seu laboratório virtual e realizar os cursos listados abaixo!

Confira os prêmios abaixo:

  1. 1º colocado: 1 Notebook Touch-screen Asus, 1 licença do Windows 8 PRO e 1 voucher de certificação oficial Microsoft;
  2. 2º ao 5º colocado: 1 Licença do Windows 8 PRO e 1 voucher de certificação oficial Microsoft;
  3. 6º ao 30º colocado: 1 voucher de certificação oficial Microsoft.
Posted: mar 14 2014, 15:30 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Novo MVA: Automatizando Processos com System Center Orchestrator

Ontem foi publicado mais um curso sobre System Center 2012 no MVA, agora para o Orchestrator em complemento aos já produzidos sobre Patch Management e Proteção de dados (http://www.marcelosincic.com.br/blog/post/Novos-MVAe28099s-Disponiveis-Gerenciamento-de-Infraestrutura-de-Updates-e-Protecao-de-Dados-e-Servidores-para-Nuvem-Privada.aspx)

O foco neste treinamento não foi fornecer exemplos complexos de automação, mas sim ajudar nos primeiros passos, abordando:

  • Ferramentas – Designer, Console e Deployment Manager
  • Criação e organização de Runbooks
  • Chamada e criação de variáveis
  • Passagem de parametros e dados entre atividades
  • Integração do Orchestrator com o Service Manager
  • Publicação de Runbooks no Service Manager para automação de processos
  • Configuração dos Integrations Pack no Orchestrator

Espero que gostem: www.microsoftvirtualacademy.com/training-courses/automatize-processos-com-system-center-orchestrator?mtag=MVP4029139

Na sequencia já estamos trabalhando em um MVA para automação de processos de Private Cloud com criação de VMs automáticas!

image

MVA sobre MAP (Microsoft Assessment Planning and Toolkit)

Hoje foi disponibilizado mais um treinamento no MVA que pude participar.

O MAP é uma ferramenta que não só faz o inventário de um ambiente com Windows, Linux, Oracle, MySQL e outros. Ele analisa os dados e permite saber quais migrações estão viáveis ou não gerando planilhas Excel com dados analíticos e relatórios de proposta em Word completas.

Assista e entenda melhor esta ferramenta: https://www.microsoftvirtualacademy.com/tracks/migrando-ambientes-com-map

image

Posted: dez 21 2012, 17:04 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Windows 8 | Windows 2012

Novo Microsoft Virtual Academy: Visão geral do Windows 2012

Hoje foi disponibilizado mais um curso no MVA da Microsoft com a visão geral do Windows 2012 separado em 7 módulos.

Neste novo MVA tive o prazer de trabalhar novamente com o Leandro Carvalho e o Prof.Andre Luiz

Clique aqui e complete mais um curso!   http://www.microsoftvirtualacademy.com/tracks/visao-geral-do-windows-server-2012 

image

Posted: dez 10 2012, 22:27 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Windows 2012 | Treinamento

Novo curso no Microsoft MVA: System Center Configuration Manager 2012

Criado a algumas semanas por mim e o Josué Vidal (@josuevidall), este novo MVA (Microsoft Virtual Academy) aborda toda a infraestrutura e recursos que o SCCM 2012 possuem.

Vale a pena assistir em http://www.microsoftvirtualacademy.com/tracks/introducao-ao-system-center-configuration-manager-2012

image

Posted: ago 14 2012, 23:17 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'ad'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews The process cannot access the file 'D:\home\site\wwwroot\Visitas2.xml' because it is being used by another process.
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Novo Azure AD Connect

Na semana passada a Microsoft liberou a nova ferramenta para sincronização de AD local com o Azure AD. Essa nova ferramenta tem as mesmas funcionalidades das anteriores DirSync e ADDSync, mas acrescesta facilidade na administração do serviço e acesso aos conectores.

Para baixar e ver detalhes: https://azure.microsoft.com/en-gb/documentation/articles/active-directory-aadconnect/

1-Resumo

Instalação e Upgrade do Dirsync

Para quem já tem o Dirsync ou o ADDSync instalado o Azure AD Connect irá fazer o upgrade e solicitar apenas a credencial do Azure para configurar, mas após o upgrade é possivel alterar facilmente as configurações.

A sequencia abaixo mostra o upgrade, sendo bem simples pedindo apenas as contas online e on-premisse:

2-Upgrade Dirsync

3-Conect

 4-Conect2

 5-Upgrade

Configuração Pós-Instalação

A interface do Azure AD Connect é realizada com ferramentas gráficas acessiveis pelo Menu Iniciar:

6-Iniciar

A ferramenta que torna mais fácil configurar como comentado no inicio do artigo é o Synchronization Service, onde ao abrir já é possivel ver os conectores habilitados, o estado da sincronização, log das ultimas sincronizações e utilitários na lateral:

7-Sinc Service

Por exemplo, para sincronizar manualmente basta clicar sobre uma das conexões e escolher como quer sincronizar (Connectors –> Run):

8-Sincronizarmanual

Visualização, Atualização e Criação de Conectores

Ao clicar em qualquer um dos conectores abre-se um wizard onde podemos alterar os conectores básicos ou criar novos conectores.

O wizard é muito simples e funcional, como mostram as imagens abaixo utilizando o Properties:

9-Conectores1

10-Conectores2

E para criar novos conectores, ao clicar em Create temos criar os diversos tipos de conectores on-premisse ou online utilizando o wizard das imagens acima.

11-Conectores3

Vale a pena fazer o upgrade para quem tem o Dirsync e o AADSync, pois esta nova ferramenta é muito completa e simples facilitando o acesso aos configurações, alterações e log das operações.

Posted: jun 29 2015, 12:18 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 5/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Integrando o System Center Orchestrator 2012 com o Active Directory

Anteriormente já iniciei alguns testes com o Orchestrator e se trata de uma excelente ferramenta (System Center Orchestrator 2012–Introdução)

A Microsoft disponibilizou a poucos dias (21/12/2011) um pacote para integrar tarefas de AD ao Orchestrator e ficou muito bom com tarefas como bloquear/desbloquear usuários e computadores, criar/editar/deletar usuarios, OUs, grupos e todas as outras tarefas conforme o print abaixo mostra a barra de ferramentas do Orchestrator Designer:

27-12-2011 12-18-10

Para instalar estas ferramentas é necessário baixar o pacote em http://www.microsoft.com/download/en/details.aspx?id=28020, fazer a importação do pacote de integração (arquivo com extensão OIP) e distribuir para os servidores desejados. Segue a ordem em que as atividades são realizadas, iniciando com o registro do Integration Pack:

27-12-2011 12-14-21

O passo seguinte é distribuir o Integration Pack para os servidores onde a tarefa será executada, lembrando que não tem a ver com os DCs e sim com os servidores que executam os RunBooks:

27-12-2011 12-15-43

Ao terminar estará registrado no servidor como mostrado abaixo e irá aparecer automaticamente no Orchestrator Design como mostrado na primeira imagem.

27-12-2011 12-16-32

Mais uma interessante funcionalidade a esta ferramenta que irá ser um importante aplicativo na nova familia de produtos System Center 2012.

Posted: dez 27 2011, 12:37 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Virtualizar Domain Controllers–Devo ou não?

Esta pergunta já ouvi inúmeras vezes. Em treinamento, palestras, emails e clientes sempre ouço a pergunta “Porque eu não posso virtualizar o Domain Controller?”

Esta semana em um grande cliente que atendo como consultor da Dell, alguns sites não permitiam logon, o Office Communicator não funcionava e outros problemas. Portanto, acho que este tema é bem apropriado com o crescimento dos ambientes virtualizados.

UPDATE: O Windows Server 2012 introduziu recursos próprios para virtualizar Domain Controllers sem as restrições com o NTP, porem a questão de logar no servidor Hyper-V pode continuar ativa.

Vamos começar com o fato concreto: Ninguem disse que não podem ser virtualizados, e sim que existem fatores a considerar. E é sobre isso que irei escrever.

Posso virtualizar todos os meus Domain Controllers?

Pode, mas terá sérios problemas de segurança e comprometer a réplica se o seu Domain Controller for Windows 2003.

Existem alguns pontos a se considerar ao pensar em virtualizar todos os servidores que podem ser consultados em http://support.microsoft.com/kb/888794/en-us quando vc ainda utilizar DCs com Windows 2000 ou Windows 2003.

Não é a toa que se recomenda ter os FSMOs em servidor fisico, mas falaremos disso daqui a pouco.

Porque virtualizar todos os Domain Controller compromete a segurança?

Neste caso temos duas opções, a primeira deixar o Hyper-V utilizando segurança SAM (local) ou ingressar ele no dominio da VM e as duas podem lhe trazer problemas.

A primeira opção é um sistema de segurança antigo, não baseado em Kerberos e fácil de se quebrar.

A segunda é o risco de ao ter uma queda das VMs ou um desligamento para manutenção ou energia o servidor do Hyper-V não aceitar logon e mostrar a mensagem “No Domain Controllers for Authentication”.

Porque não é recomendado virtualizar FSMOs?

Porque os FSMOs desempenham papeis importantes na estrutura, normalmente é o Global Catalog e tambem o NTP Server.

Caso seja virtualizado as FSMOs o servidor poderá ficar com problemas de sincronização de horários, replicação atrasada, etc.

Se ele estiver em uma VM e esta for desligada por um certo tempo o risco de estar com problemas de USN é maior ainda.

E o pior momento é se o host Hyper-V perder o relógio e atrasar o horário, gerando inconsistencias sérias no AD.

Esta discussão é antiga, desde o inicio do Hyper-V e pode ser acompanhada em http://blogs.technet.com/b/robse/archive/2008/06/16/dc-virtualized-and-external-ntp-servers.aspx

Qual o problema com o NTP Server?

O NTP Server tem a função de ser o sincronizador de horário nos dominios. A principio é feito pelo PDC Emulator.

Maquina fisicas mantem relógio por consultar o RTC (Real Time Clock) na BIOS que é baseado em cristal e após isso o SO passa a usar algoritmos logicos para manter o relógio.

O problema em VMs é que este algoritmo pode ficar comprometido por conta da carga, já que ele não é fisico e sofre interferencia conforme o weight definido para as operações, ou seja, irá atrasar ou adiantar.

Para evitar isso o Hyper-V faz a sincronização usando as Integrations Features, e ai ocorrem as desincronizações e os usuários não conseguem logar, aplicaçoes dão erro, etc.

Ai temos um problema, no documento “Running Domain Controllers in Hyper-V” (http://www.microsoft.com/download/en/details.aspx?id=20164) diz para desligar esta feature dos DCs virtuais.

Por outro lado o blog do PM de virtualização (http://blogs.msdn.com/b/virtual_pc_guy/archive/2010/11/19/time-synchronization-in-hyper-v.aspx) diz para não fazer isso.

O problema é muito bem abordado pelo Ben Armstrong e é real. Uma maquina fisica mantem o relógio quando desligada (RTC), mas a virtual não, portanto se todos os DCs forem virtuais e esta opção estiver desabilitada em um desligamento eles irão retornar com o horário em que foram desligados, e quem irá atualizá-los?

Minha Recomendação Final

Siga as práticas do documento “Running Domain Controllers in Hyper-V”, mas sempre tenha um servidor fisico QUE NÃO SEJA O HOST DO HYPER-V.

Configure todas as máquinas, incluindo os hosts do Hyper-V para sincronizar com esta fisica usando Net Time /SetSNTP:<servidor> e assim não terá problema com o relógio, já que o próprio host irá sincronizar com o fisico e consequentemente as VMs com ele.

 

É isso ai, espero ter ajudado e qualquer acrescimo podem me enviar pelos comentários ou email.

Posted: jun 08 2011, 10:17 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Virtualizaçao
Login
Marcelo de Moraes Sincic | MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews The process cannot access the file 'D:\home\site\wwwroot\Visitas2.xml' because it is being used by another process.
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Software Asset Management (SAM) com System Center Configuration Manager–Asset Intelligence (Parte III)

Neste terceiro artigo sobre como utilizar o SCCM para falar de SAM (Software Asset Management) vamos falar sobre o Asset Intelligence (AI) ou Ativos Inteligentes.

A diferença entre inventário e controle/gestão de ativos é a inteligência sobre os dados coletados, o que é feito pelo Asset Intelligence no System Center Configuration Manager.

Para lembrar da nossa pauta e a agenda dos itens, use o link de introdução: http://www.marcelosincic.com.br/post/Software-Asset-Management-(SAM)-com-System-Center-Configuration-Manager.aspx

Ativando a Role (Feature)

Para ativar o AI é necessário ativar a role em um dos servidores do Site System, neste caso utilizo o meu servidor primário:

image

A configuração da role AI é muito simples, apenas se habilita e define o agendamento:

capture20160516123143567               capture20160516123150983

Configurando a Feature

A configuração da role AI é tão simples quanto foi a ativação, na prática basta usar o botão “Enable or Disable Asset Intelligence Syncronization Point”.

capture20160516123257659

Essa sincronização é necessária para montar a tabela de produtos, categorias e requisitos de produtos. Como pode ser visto no menu acima, o AI trabalha com essas informações para montar dados de inventários inteligentes indicando os computadores que estão com softwares não adequados e mesmo para montar a lista de licenciamento dos produtos Microsoft.

O resultado da sincronização é demonstrado no quadro abaixo:

capture20160516123319883

Veja que 31 dos softwares instalados no meu ambiente inventariado foram identificados, outros 51 não estão no cadastro da Microsoft, e podem ser vistos clicando-se no numero 51:

capture20160516123414410

Pode-se notar que neste caso a maioria dos softwares são Microsoft, mas não estão identificados pois como pode ser visto na primeira tela do AI, ele não sincronizou nos ultimos 6 meses  Smiley piscando

Podemos manualmente identificar os itens clicando em propriedades e inserindo os dados como categorias e familias de software. Esse dado não é essencial para licenciamento ou inventário, mas essencial para gestão de ativos uma vez que categorizar e dividir em familias é parte dos relatórios sintéticos apresentados.

Note tambem que temos a possibilidade de usar Label 1-3 para customizar relatórios desejados com produtos ou outra informação que seja importante na sua organização.

Por fim no menu temos a opção Hardware Requeriments que obviamente identifica os requisitos que um software precisa. Também é util quando desejamos executar relatórios para gestão de ativos de hardware, priorizando computadores que estão aquem da necessidade dos softwares nele instalados:

capture20160516123449525

Por fim, no menu Catalog podemos incluir as categorias, familias e labels customizados. É importante manter essa tabela alinhada com suas necessidades de relatórios, mas não é essencial ao funcionamento ou a prática de gestão de ativos:

capture20160516123510329

Importação de Licenças

A importação de licenças é feita para criar os relatórios de gestão e licenciamento. Para isso clique no botão Import Software Licenses:

image

Onde esse arquivo pode ser encontrado ou criado?

Para clientes corporativos é possivel usar o site VLSC que lista todas as compras de softwares realizadas, e tem a opção de importar para XML. Basta pegar o arquivo gerado e importar para dentro do SCCM.

Se for montar este arquivo manualmente, pode-se utilizar o modelo disponivel em https://technet.microsoft.com/en-us/library/hh427341.aspx. Basicamente criamos uma planilha em Excel e exportamos para CSV.

A dificuldade neste caso é criar o arquivo com os nomes exatos de softwares, fabricantes e informações de versão e edição. Mas uma vez criado o arquivo, a manutenção é muito simples.

Relatórios de Hardware

Os relatórios do AI ficam na categoria própria e podem ser visualizados pelo Filter como demonstrado na lista de relatórios abaixo:

capture20160516123636604

Os primeiros relatórios são os de Hardware onde o AI utiliza dados coletados para gerar relatórios com diferenças significativas dos relatórios de inventário normal.

Destaque para alguns relatórios:

  • 03A Primary computer users – O AI identifica qual o principal computador de cada usuário, isso é baseado em quem utiliza o computador por mais de 66% do tempo
  • 04A Computers with multiple users – Em computadores onde não existem um usuário que fica logado por mais de 66%, isso é indicação de um computador compartilhado por vários usuários
  • 10A Computers in … have changed memory – Lista de computadores que tiveram alterações de memória, que é a comparação entre diferentes inventários de hardware e identifica a mudança
  • 10B Changes on a specified computer… – Lista o que foi alterado em um determinado periodo de tempo em um computador selecionado, o que é util para identificar mudanças em um computador de referencia ou estratégico

Importante: Para funcionarem os relatórios 03A e 04A é importante que o Log de segurança do Windows esteja habilitado: https://technet.microsoft.com/en-us/library/gg712322.aspx#BKMK_EnableSuccessLogonEvents

Relatórios de Software

A segunda parte dos relatórios são os de software:

capture20160516123724351

capture20160516123737415

Alguns relatórios são mais importantes de software, apesar de todos serem especialmente necessários:

  • 04A/B/C Autorun – São relatórios que permitem ao administrador visualizar os softwares que estão em auto-execução nos computadores, o que é importante em um grande ambiente
  • 07A/B/C Recently used executable by Computers – São relatórios interessantes para a gestão de ativos, mas normalmente usamos os relatórios de Software Metering, que é um requisito para funcionarem
  • 08A/B/C Recently used executable by Users – São relatórios como os da série 07, mas baseado no numero de usuários
  • 09A/B Infrequently used software – Esse relatório é o mais importante desta categoria, pois dele é que decidimos onde desinstalar um software com licenças insuficientes ou decidir a compra de um software. Por exemplo Viso, Project e principalmente Visual Studio tem alto custo e saber onde não são usados é uma economia significativa

Importante: Para os relatórios de software do AI funcionarem é necessário que esteja habilitado o Software Metering https://technet.microsoft.com/en-us/library/gg712306.aspx

Relatórios de Licenciamento

capture20160516123703778

Estes relatórios são os que importam nessa série.

Podemos destacar os mais importantes:

  • 01A/B/C/D Microsoft VL ledger – São relatórios que nos permite visualizar o resumo do licenciamento que foi importado, principalmente quando o arquivo foi importado do VLSC estes relatório nos darão a visão do licenciamento total
  • 02A/B/C Nearing expiration – São relatórios uteis quando os softwares tem data de expiração, o que pode acontecer com Office 365 e outros produtos comprados em contrato EAS que anualmente precisam ser renovados
  • 06A/B Per-Processos licensed – Estes relatórios são essenciais para o licenciamento de SQL Server e Windows Server que possuem o licenciamento por processador (Windows) ou Core (SQL Server). No caso do SQL o licenciamento também pode ser no modelo Server+CAL e isso só pode ser controlado manualmente
  • 14B – List of MS SW…not found – Util para validar produtos que não estão em uso e podem ser substitutos de outros que estão com licenciamento estourado, por exemplo trocar a versão do Office Professional pelo Standard
  • 14A e 15A Reconciliation – São os mais importantes, os que resumem o licenciamento

Abaixo estão os mais importantes. O primeiro identificando as compras e o canal (a legenda fica na ultima página), lista dos produtos inventariados que precisam de licença que é util para criar o arquivo de licenças manual junto com o terceiro onde vemos os produtos que não foram encontrados no arquivo de licenças:

capture20160518001429349

capture20160518001407666

capture20160518001501838

Por fim, o mais importante deles é o relatório de conciliação. Como pode ser visto, boa parte do trabalho manual já é realizada pelo SCCM:

capture20160518002240755

Posted: mai 18 2016, 03:26 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Software Asset Management (SAM) com System Center Configuration Manager–Além do Inventário (Parte II)

Neste segundo artigo sobre como utilizar o SCCM para falar de SAM (Software Asset Management) vamos falar sobre como ir alem do padrão (default) nos inventários de Software do SCCM.

Para lembrar da nossa pauta e a agenda dos itens, use o link de introdução: http://www.marcelosincic.com.br/post/Software-Asset-Management-(SAM)-com-System-Center-Configuration-Manager.aspx

Regras de Agentes

No SCCM das versões 2012 e posteriores é possível criar regras para grupos de computadores diferenciados. Essas regras diferenciadas são criadas apenas com os itens que se deseja alterar do default e depois se aplica (Deploy) ao grupo de computadores desejado:

capture20160509234302570

capture20160509234341394

Criando uma Regra para Expandir o Inventário para o SAM

A regra para expandir o inventário além do padrão é incluir na regra customizada a parte de Software e Hardware Inventory.

Na configuração de SW Inventory é importante incluir as extensões que deverão ser parte do inventário. Em geral escolhemos apeans o que for “*.exe”, mas é importante para um SAM alem de produtos Microsoft incluir o que for “*.com”. O motivo é que alguns softwares ainda se baseiam em aplicativos de comando e com os detalhes destes executáveis é possivel ir alem de aplicativos Windows.

capture20160509234404242

capture20160509234423548

Alem da inclusão das extensões para exatidão é importante incluir os detalhes (Inventory reporting detail: Full details) que irão permitir saber a data de instalação de um software e alguns outros dados. Por exemplo, softwares não MSI (Microsoft Installer) os detalhes precisam ser capturados diretamente no binário, uma vez que não gera dados no Adicionar e Remover Programas do Painel de Controle.

Agora vamos falar do inventário de Hardware, onde se encontra as principais configurações adicionais que envolvem o Adicionar e Remover Programas presente no Painel de Controle.

capture20160509234501269

No inventário de Hardware temos configurações que não são incluídas no padrão que podem ser acessadas pelo botão Set Classes… Para acessa-las filtre pela palavra ou categoria Software. É importante não deixar de notar que são informações tratadas pelo Asset Intelligence que iremos tratar em outro artigo.

A primeira categoria é a de Softwares instalados que retorna dados importantíssimos envolvendo o tipo de instalação, a data, localização e fonte. Essas informações podem ajudar a definir a data em que determinado produto precisa ser pago em caso de regularização que incluia cobrança reversa. Alem disso, softwares que executam em determinada origem podem ter algum tipo de licenciamento a parte, por exemplo software que são assinados e executados a partir de um servidor dedicado.

capture20160509234557335

O segundo grupo de configurações ajuda a identificar softwares de avaliação e principalmente OEM. Em muitos clientes encontramos máquinas compradas em OEM mas que utilizam imagens e com isso invalidam as chaves. Coletando esses dados é possível levantar mais claramente o que for OEM:

capture20160509234611366

O terceiro grupo de configurações serve para identificar softwares ativados com chave de volume, chamada de VL. Em geral usamos o servidor KMS (Key Management System) para ativar automaticamente Windows e Office de forma automática sem precisar de internet. Como softwares VL precisam de licenciamentos por contrato, é importante identificar esta informação.

capture20160509234625549

Relatórios Úteis com Base Apenas nos Inventários

Com base no inventário de arquivos .EXE e .COM é possivel usar uma série de relatórios listados na tela abaixo. Porem, sempre destaco o relatório de comparação de softwares entre computadores. Por exemplo, pode-se utilizar uma maquina de um usuário para comparar se ele está de acordo com maquinas de outras pessoas. Isso ajuda nos casos em que empresas permitem que usuários instalem softwares, mas ainda deseja controlar ou ter um modelo por departamento ou outra variação:

capture20160509235347137

Na lista abaixo vemos os relatórios que são gerados com base no inventário de Hardware. São relatórios simples como uma lista de softwares com detalhes como versão e instancias totalizadas. Em geral utilizamos esses relatórios para ter os detalhes de um determinado produto. Por exemplo, o produto de licenciamento não-servidor mais caro é o Visual Studio em qualquer uma de suas versões e saber onde ele está instalado é importantíssimo.

capture20160509235421635

Assinando Relatórios

Todos os relatórios podem ser assinados, o que permite recebe-los em sua caixa de email ou em uma pasta compartilhada em rede. Isso é interessante para acompanhar determinados softwares que precisam ser controlados, por exemplo Visio, Project e Visual Studio que tem custo elevado.

Neste artigo estamos falando de relatórios para SAM Microsoft, mas a assinatura de relatórios está disponível para todos eles e é um recurso que precisa ser usado para controle efetivo de licenças.

2870.CMConsoleSubscription_5770817A

Posted: mai 11 2016, 04:07 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Software Asset Management (SAM) com System Center Configuration Manager

Na área de software de terceiros da Dell sempre lidamos com a necessidade do gerenciamento de ativos, chamado tecnicamente de SAM, Software Asset Management ou Gerenciamento de Ativos de Software.

Antes de falarmos sobre como utilizar o SAM é importante entender a diferença de um SAM para um inventário, funcionalidade mais comum e simples do System Center Configuration Manager.

Enquanto o inventário é apenas um levantamento do software instalado nas maquinas (desktops e servidores), o SAM envolve um trabalho intensivo com os dados do inventário. Em termos simples, o SAM é a análise dos dados coletados por alguém que conhece de licenciamento para indicar as melhores práticas visando redução de custos.

Como exemplo de um SAM eficiente podemos citar consolidação de banco de dados, virtualização e transformação de produtos on-premisse para cloud.

Detalhes de ferramentas, exemplos de SAM consultivos baseado em Use Case podem ser visto no link principal da Microsoft https://www.microsoft.com/sam

Na maioria dos casos utilizamos o MAP (Microsoft Assessment Planning and Toolkit) para fazer o inventário, mas quando o cliente tem o System Center Configuration Manager (SCCM) instalado o processo é muito mais simples, pois os dados já estão prontos.

A maior vantagem do SCCM sobre o MAP é o fato do MAP ser uma ferramenta passiva baseada em on-shoot, além de fazer a pesquisa por protocolos de rede. O SCCM tem o agente ativo e gera dados muito mais completos como o Software Metering e Asset Intelligence com relatórios importantíssimos sobre uso de software.

Durante as próximas semanas irei montar uma série de artigos com dicas de uso e regras de SAM com o SCCM, com os tópicos:

Vamos falar de licenciamento e SAM!

Posted: mai 04 2016, 02:43 by msincic | Comentários (3) RSS comment feed |
  • Currently 4,5/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Atualizações Automáticas no System Center Operations Manager 2016 (TP4)

Nas versões novas do System Center as atualizações passam a ser inteligentes. Por exemplo no SCCM todos os updates de produto e feature são automatizadas (http://www.marcelosincic.com.br/post/Nova-Feature-do-System-Center-Configuration-Manager-1511-Atualizacoes-e-Updates.aspx).

No caso do System Center Operations Manager um dos problemas era que as atualizações de Management Packs tinham que ser manuais por meio de acompanhamento dos blogs de produto.

A nova feature de Updates and Recommendations lista os Management Packs que tiveram atualização e permite com o botão Get All MPs  baixar as atualizaçoes automaticamente:

Capturar

Uma boa novidade para os administratores de SCOM!!!

Posted: mar 24 2016, 20:58 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Nova Feature do System Center Configuration Manager 1511–Atualizações e Updates

O que é o SCCM 1511 e quando sairá o SCCM 2016?

Antes de falar sobre esta nova feature, é bom lembrar que agora o SCCM não tem mais o ano como versão (2007, 2012, etc) e será como o Windows 10 utilizando um build e atualmente estamos no 1512 em RTM (não teste).

Essa é uma boa noticia, pois acabam os conceitos de versão que dificultam no licenciamento e manutenções. Melhor ainda com a nova feature que falaremos agora.

O que é o Update and Servicing?

Uma das novidades envolvendo o System Center Configuration Manager 1511 é o console de atualizações “Update and Servicing”.

Esta nova funcionalidade podia ser antes complementada com essa feature (http://www.marcelosincic.com.br/post/Configuration-Manager-Servicing-Extension-para-SCCM-2012-SP1-e-R2.aspx), mas agora ela evoluiu.

A partir desse novo item na console é possivel saber em qual versão está o Build em produção e fazer o download e instalação como se fosse o Windows Update para o SCCM.

No exemplo abaixo é possivel ver que baixei o update do 1511 para o 1512 sem qualquer tipo de intervencão durante o download e instalação, aliado ao fato dele automaticamente fazer o rollback em caso de falha:

capture20151228084903677

É interessante notar que agora é possivel fazer o download de atualizações apenas de features no item do Update and Servicing, o que não era possivel até o SCCM 2012 R2.

Com essa novidade aliado ao fato de não termos mais o versionamento complexo, será muito mais fácil dar manutenção no SCCM!

Posted: mar 24 2016, 20:05 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login
Marcelo de Moraes Sincic | MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews The process cannot access the file 'D:\home\site\wwwroot\Visitas2.xml' because it is being used by another process.
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Virtual Hard Disk (VHD e WIM) no Windows 7 e Windows 2008

Um interessante novo recurso do Windows 7 é permitir que se utilizei discos virtuais criados pelo IMAGEX (WDS) ou pelo VirtualPC/Virtual Server diretamente como um disco local da maquina. Este recurso é valioso por alguns motivos:

  • Permitir ter um arquivo único com os arquivos de usuário em um disco externo
  • Ler diretamente dados de uma máquina virtual sem a necessidade de subir o VPC ou VS
  • Fazer o backup dos dados com o processo de backup de imagem de um disco do próprio utilitário do Windows

Eu pessoalmente utilizei este recurso em meu disco externo para guardar dados. Criei um disco VHD e copiei nele dados antigos e desmontei. Quando preciso acessar conecto o disco externo e remonto o VHD com a letra T:. Ao usar este método não misturo arquivos de meus backups costumeiros com os arquivos históricos que possuo.

Como criar um VHD?

1) Abra o Computer Manager
2) Abra o Disk Management
3) Abra o menu More Actions e escolha a opção Create VHD ou Attach VHD se tem o arquivo

O restante do processo é o mesmo que utilizado para um disco fisico comum. Lembre-se de que ser for um disco externo deverá desmontá-lo e remontá-lo antes de desligar ou após reconectar o disco externo. O mesmo vale caso seja local e deseje para de usá-lo.

Importante: A cada reinicialização dá maquina o VHD estará desconectado, então vc poderá criar um script pelo DiskPart para reativar o disco.

Nota: Muito legal é vc pegar o DVD de um outro SO como o Windows 2008 ou o mesmo SO e rodar o setup, escolhendo instalar em outro disco. O VHD irá aparecer na lista e vc instala normalmente !!!

Todo o processo de desmonte e remonte do disco virtual tambem pode ser feito pelo aplicativo DiskPart.

Posted: abr 02 2009, 15:01 by msincic | Comentários (8) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Windows 2008 | Windows 7

Renovação do certificado do Exchange 2007 Transport (Eventos 12014 e 12024)

O certificado digital utilizado pelo Exchange 2007 expirou a 1 semana. Não estávamos notando a falta, até que ao olhar no Event Viewer notamos diversas paradas no serviço de TLS por culpa do certificado inválido (no final seguem os eventos). Como resolver isso?

1- Abra o MMC e adicione o snapin de certificados do COMPUTADOR
2- Abra a pasta PERSONAL e verifique o certificado que venceu e delete.
3- Instale o novo certificado (em nosso caso emitido pelo DC)
4- Abra a aba DETAILS do novo certificado e copie a string da propriedade THUMBPRINT
5- Abre o Exchange Management Shell
6- Digite o comando Enable-ExchangeCertificate 1a4646e5bfbcedf222ddc927528f607cb4efeb5d -services SMTP onde o número é o thumbprint copiado anteriormente

Será mostrada uma mensagem de aviso da troca do certificado e RESOLVIDO !!!!

Event Type: Error
Event Source: MSExchangeTransport
Event Category: TransportService
Event ID: 12014

Event Type: Warning
Event Source: MSExchangeTransport
Event Category: TransportService
Event ID: 12024

Posted: mar 31 2009, 12:03 by msincic | Comentários (9) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Exchange Server

Avaliação do Windows 7

Hoje completei 3 meses usando o Windows 7 como plataforma principal. Assim que consegui um Beta (o oficial no TechNet saiu em 7/01). A primeira vez instalei em um HP Pavillion e a agora no meu Dell Inspiron. Mas tambem instalamos em outras máquinas como um HP Tablet e um note Amazon.

Minhas impressões POSITIVAS:

1- Bem mais rápido que o Vista nas operações de inicialização e retorno de hibernação.
2- Abrir certos aplicativos ficou impressionantemente agradável. Um bom exemplo é o VS2008 e o PhotoShop que ficaram quase imediatos.
3- A nova barra de tarefas com atalhos "pinados" ficou excelente.
4- O UAC (User Control Account) ficou bem menos intrusivo, no Vista ele chegava a irritar.
5- O Windows Search não gera mais lentdião como era visivel no Vista.
6- A nova interface e recursos no Paint ficaram muito bons, agora se parece mais com uma aplicação de verdade. A nova Ribbon que tambem foi implementada no WordPad não acrescentou nada de novo.
7- Um aplicativo ótimo chamado Sticky Notes, como os papeizinhos amarelos, vem embutido e fará falta se precisar retornar ao Vista.
8- O recurso de alteração automatica do papel de parede cria uma experiencia interessante
9- Ao iniciar o processo de redimensionamento de janelas as bordas piscam qd chegam próximos das bordas, barra de tarefas ou sidebar e se ajusta automaticamente. Parece bobo de falar, mas é bem útil ao trabalhar com multiplas janelas sobrepostas.

Minhas impressões NEGATIVAS:

1- A Sidebar agora não pode mais ser "dockada" ou fixada. Isto faz com que todas as janelas tenham que ficar sendo realinhadas para não esconder os gadgets. Ainda bem que o redimensionamento é inteligente (ponto positivo 9)
2- Ao hibernar com o cabo de rede conectado ou a rede sem fio o Windows 7 não acessa rede. Voce se vê obrigado a desativar e ativar novamente a placa de rede, como um reset, e ai ele volta a se conectar. Esse problema é pior em caso de redes sem fio, pois muitas vezes ele não retorna da hibernação, simplesmente travando na reinicialização
3- Ainda é Beta e tem data para parar de funcionar (veja conselho abaixo).

CONSELHO FINAL:

Utitlize o Windows 7 com confiança. Ele é estável e muito rápido comparado ao Vista. Não tenha medo.
Porem, lembre-se que ele tem data para acabar por se tratar de um Beta. Minha solução para isso foi instalar o Vista, Office, VS2008 e todos os outros aplicativos mais importantes ANTES em um Vista. Depois de instalado tudo no Vista fiz um Complete Backup (imagem) e utilizei a função de Update do Windows 7. Eu sei que muitas coisas eu atualizei e configurei após a primeira instalação, mas não tem problema, eu estou anotando conforme me lembro!!!

Posted: mar 25 2009, 22:46 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Windows 7

Integração do Visual Studio 2008 com o Expression Blend 2.0

Ao reinstalar o meu Visual Studio 2008 (usava o Professional e substitui pelo Team Studio) tive problemas com integração com o Expression Blend 2.0

Solução: Reinstalar o Silverlight Tools 2 for Visual Studio 2008 (http://www.microsoft.com/downloads/details.aspx?FamilyId=c22d6a7b-546f-4407-8ef6-d60c8ee221ed&displaylang=en).

Achei uma solução parte normal, parte estranha.

PARTE NORMAL: Eu tive que reinstalar o Visual Studio e as Tools foram desinstaladas junto.

PARTE ESTRANHA: Porque os addins do SQL Server 2008 não precisei reinstalar?   Ao abrir o VS2008 os addins e Tools de BI estavam lá.

Posted: mar 25 2009, 15:35 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Silverlight

Desinstalar o WSUS 3.0 manualmente / Domain Controller com WSUS

A cerca de 3 meses eu precisei mudar o drive onde os arquivos ficavam originalmente (c:\WSUS). Foi necessário entrar no registry e alterar manualmente o caminho, mas depois funcionou normalmente. A chave é HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Update Services\Server\Setup.

Porem ontem o problema foi mais dificil de resolver. O nosso servidor WSUS foi promovido (parabens servidor !!!) a um Domain Controller. O problema é que isso gerou a quebra dos SIDs que eram utilizados no SQL Server Express, já que não utilizamos o Windows Internal Database. O processo foi meio complicado:

1) Deletar a base de dados SUS no SQL Server 
2) Desinstalar o IIS ou apagar o site WSUS e o Application Pool WSUS
3) Apagar toda a chave de registry HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Update Services
4)
Rodar o programa que limpa as informações sobre a instalação existente: MSIZAP T {2C0D7E35-EE6E-4DC7-BA13-2C68AEDEB59D} Entrar no registry e apagar todas as entradas de serviço do WSUS, são diversos em HKEY_LOCAL_MACHINE\SYSTEM\CurrentControlSet\Services
5)
Verifique se os diretórios C:\Program Files\Update Services e o diretório de instalação do SQL Server estão limpos ou deletados
6)
Reinstale o IIS
7)
Reinstale o WSUS

Este método não é o melhor, pois vc perdeu todas as configurações e será necessário reconfigurar, porem ao fazer a sincronização não será necessário baixar novamente os pacotes, apenas a base do MBSA.

Posted: mar 06 2009, 11:29 by msincic | Comentários (8) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Windows 2003 | Windows 2008
Login
Marcelo de Moraes Sincic | MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews The process cannot access the file 'D:\home\site\wwwroot\Visitas2.xml' because it is being used by another process.
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Software Asset Management (SAM)–Convertendo Licenciamento para Azure

Este tópico é relevante no momento em que estamos de migração para Cloud Publica em muitas empresas.

Dando continuidade a série sobre SAM, vamos pular alguns outros tópicos e dar atenção a Azure. Para ver a lista de assuntos que já abordamos acesse http://www.marcelosincic.com.br/post/Software-Asset-Management-(SAM)-com-System-Center-Configuration-Manager.aspx

Atualização: Conheça o Reserved Instance no artigo http://www.marcelosincic.com.br/post/Reducao-de-Custos-com-Azure-Reserved-Instance.aspx

1 – Utilizando o Licenciamento Normal para VMs Windows (SPLA)

Ao criar maquinas virtuais no Azure já é possivel definir que o sistema operacional é Windows e pagar o licenciamento embutido como parte do serviço.

Esse modelo de licenciamento é chamado de SPLA e permite a um provedor (não existe apenas no Azure) licenciar VMs como serviços faturado ao invés do cliente comprar a licença perpétua como acontece em ambientes on-premisse.

O custo desse licenciamento é medido por comparar valores de VMs iguais com Windows e Linux em https://azure.microsoft.com/pt-br/pricing/details/virtual-machines/linux/ e https://azure.microsoft.com/pt-br/pricing/details/virtual-machines/windows/

No dia que montei esse post o valor hora de uma VM D2 v2 Linux é de U$ 0,159 e a mesma VM com Windows U$ 0,251. Ou seja uma diferença de 43% no preço da VM.

Por essa diferença de preço que temos opções de usar outras formas de licenciamento que falaremos a seguir.

2 – Utilizando AHUB (Azure Hybrid Use Benefit)

O AHUB nada mais é do que usar a sua licença já comprada em contrato com Software Assurance (SA) no Azure e assim não pagar o licenciamento SPLA.

Note porem que sua licença deve ter SA contratado, ou seja o direito de atualização e virtualização. Se não conhece o SA veja o post http://marcelosincic.com.br/post/Software-Asset-Management-(SAM)-com-System-Center-Configuration-Manager-Windows-Desktop.aspx onde temos um tópico sobre isso.

No caso de usar o AHUB a diferença de preço calculada no item anterior não existe, já que o licenciamento passa a ser feito em contratação em Enterprise Agreement, MPSA ou mesmo OPEN. O tipo de contrato depende do valor e é adquirido junto a um parceiro de licenciamento Microsoft (LSP).

image

A Microsoft já disponibiliza os templates para VMs AHUB mas tambem é possivel usar PowerShell com o parametro –licencetype. No caso se usar o portal, basta criar a VM informando isso:

image

Porém é importante ressaltar que o AHUB é uma maquina Windows criada com a camada de preço do Linux e não é possivel fazer a alteração pelo portal. Ou seja, será necessário recriar a VM caso ela já exista no modelo normal.

Claro que existem formas mais fáceis:

  1. Deleta a VM, mas não delete o disco
  2. Crie uma nova VM como AHUB
  3. Anexe o disco da VM que foi deletada

3 – Utilizando CPP (Compute Pre-Purchase)

O CPP é um velho conhecido de quem usa AWS, com o nome de RI (Reserved Instance), mas com uma diferença. Veja o link a seguir, mas ele não tem muitos detalhes: https://azure.microsoft.com/pt-br/overview/azure-for-microsoft-software/faq/

Enquanto no AWS o cliente compra uma VM de determinado tipo/camada, no CPP do Azure o cliente compra horas de computação de determinado tipo/camada de VM, seguindo algumas regras:

  • Equivalem a compra de 744 horas de um deterninado tipo de VM
  • São compradas por 12 meses independente do aniversário do contrato (não tem pró-rata)
  • Não são vinculadas a uma VM especifica, funciona como um abatimento nas horas totais
  • Não podem ser utilizadas ou realocadas para outros tipos de VM como se fosse proporcional
  • É paga upfront, ou seja o valor de 12 meses

A redução de custo é significativa, mas o valor depende do tipo de contrato que o cliente possui e o nivel de desconto, em alguns casos chega a 60% para clientes EA.

Para entender o cáculo, vamos usar uma tabela simples de custo HIPOTÉTICO:

VM Quantidade Horas Total Valor Normal Comprado em CPP Pago em Commitment Economia
D2 v2 5 3200 3200 horas a U$ 0,251

U$ 803,20
3 VMs equivalente a 2.232 horas a U$0,16

U$ 357,12
Saldo de 968 horas

U$ 242,96
U$ 203,12

Mais uma vez é importante ressaltar que essas VMs não podem ser atribuidas a outro tipo, o CPP cobre por 12 meses 744 horas mensais de um deterninado tipo de VM.

Porem, alguns clientes utilizam o CPP para upgrade uma vez que a redução de custo permite com o mesmo valor já provisionado para Azure subir de 2 a 3 camadas as VMs já existentes!

4 – Utilizando CPP + AHUB

É possivel combinar o CPP com AHUB?     SIM!!!

Levando em conta que o cálculo acima do CPP foi hipotético, usamos o valor referencia de U$ 0,251 para VMs Windows no CPP com valor de U$ 0,16, ou seja uma VM com o licenciamento Windows SPLA.

Se juntar o desconto que o AHUB proporcional, você poderá comprar VMs Linux e usar o licenciamento que já possui em contrato, como exemplo o valor da mesma VM D2 v2 de U$ 0,159 Linux cairia para U$ 0,12 com Windows utilizando o licenciamento existente.

 

CONCLUSÃO

Com o CPP você pode economizar de 25 a 60% sem ter que fazer nenhum esforço, e com o AHUB você pode criar VMs muito mais em conta utilizando o contrato existente com Windows.

Claro que o CPP é muito mais atrativo, uma vez que ele não exige mudança no template da VM, mas tanto o AHUB quanto o CPP precisam ser incluidos em contratos de licenciamento.

Agora divirta-se, consulte seu parceiro de licenciamento e veja quanto poderá economizar com estas duas opções de licenças!!!

Posted: jul 18 2017, 15:48 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Windows 10 Creators Update–Informações para Administradores

Semana passada a Microsoft liberou a nova versão, ou build, do Windows 10.

Ano passado tivemos a Anniversary Update e continuando o ciclo de vida do Windows 10 este ano o Creators Update.

Algumas perguntas são interessantes considerarmos.

Como baixar o Windows 10 Creators Update

O método recomendado é esperar pelo Windows Update que está sendo liberado por regiões e no Brasil deve iniciar esta semana.

Mas tambem é possivel baixar um assistente em https://go.microsoft.com/fwlink/?linkid=846364

Outra opção para administradores que precisam criar uma imagem é utilizar a biblioteca do MSDN e baixar o ISO ou utilizar o link http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkId=691209 e baixar a ferramenta de geração para pen drives.

Quais os novos recursos dessa versão para administradores

Muitas novidades!!! Veja no link https://blogs.technet.microsoft.com/windowsitpro/2017/04/05/whats-new-for-it-pros-in-the-windows-10-creators-update

Algumas se destacam como as novas opções no Hyper-V do Windows 10 como as novas opções de visualização que atrapalhavam bastante como DPI, zoom e resolução.

Mas uma das novidades que chamam a atenção é o Windows Configuration Designer (https://www.microsoft.com/pt-br/store/p/windows-configuration-designer/9nblggh4tx22#), ferramenta que permite customizar uma imagem ou criar um arquivo de padronização.

Antes do WCD precisavamos instalar todo o Windows ADK para utilizar o MDT ou outras funcionalidades, e agora podemos apenas utilizar o WCD em modo gráfico Windows 10:

image

Quem pode baixar o Windows 10 Creators Update

Por se tratar de um update, qualquer máquina que já tenha Windows 10, lembrando que a oferta de upgrade gratuito do Windows finalizou já a um bom tempo.

Para os administradores de TI é bom relembrar que agora temos o Windows Enterprise E3 e E5 com recursos especificos e entregues como serviço.

Quem utilizar o Windows Enterprise precisa recriar a imagem caso tenha utilizado o LTSB nos deployments controlados.

Para detalhes do Windows As Services: https://technet.microsoft.com/itpro/windows/update/waas-overview

Posted: abr 18 2017, 10:34 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 4/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Site para Teste de Rede com Azure

Muito comum quando estamos em projetos com Azure termos o questionamento sobre os custos e recursos disponiveis fora do Brasil versus latencia.

Para equalizar este tipo de situação, podemos usar o site http://www.azurespeed.com/

image

Alem do teste de latência podemos fazer testes de download e upload, ranges de IP usados por cada datacenter e outras informações bem interessantes.

Posted: abr 14 2017, 17:29 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Correção para o SCCM 2016 build 1610 no OSD para Windows 10

Como já é conhecido de todos que atualizaram para o SCCM 2016, agora os builds são baixados e instalados diretamente na console (http://www.marcelosincic.com.br/post/Novo-Modelo-de-Updates-do-SCCM-2016.aspx)

Porem, com o update para o build 1610 diversas implementações tiveram problemas de “0x80091007 (Hash value is not correct)” no log do OSD quando aplicavam imagens de Windows 10, um erro que não estava documentado.

Pois bem, a Microsoft liberou na segunda um Hotfix para esse problema e alguns outros que estão descritos no KB 4010155: https://support.microsoft.com/en-us/help/4010155/update-rollup-for-system-center-configuration-manager-current-branch-v

Caso tenha o SCCM 2016 Build 1610, entre na console e aguarde o download do Hostfix para depois instalá-lo:

image

Posted: mar 01 2017, 14:03 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Novo RoadMap e Licenciamento Windows Server 2016

Após o lançamento do Windows Server 2016 recebi diversos questionamentos sobre o futuro (roadmap) e o licenciamento do Windows para servidores.

Vamos integrar este assunto ao tópico sobre SAM em http://www.marcelosincic.com.br/post/Software-Asset-Management-(SAM)-com-System-Center-Configuration-Manager.aspx 

Novo Ciclo de Vida para Windows Server

Como exemplo, o Windows 10 foi lançado no build 1511, atualizado para o 1606 e já existem outras builds disponiveis para quem é parte do programa Windows Insider.

O mesmo conceito será adotado com o Windows Server, que terá garantido 10 anos de vida útil com atualizações, porem com duas “vertentes”:

  1. Windows Server 2016 Desktop Experience (instalação pradrão) e Server Core – Nesta versão o tempo de vida será de 10 anos. Esse modelo é o mesmo do Windows 10 chamado de LTSB (Long Term Service Branch).
  2. Windows Server Nano – Nesta versão o tempo de vida é de 10 anos e as atualizações serão por build como no Windows 10. Esse modelo de atualizações é chamado de CBB (Current Branch for Business) e está em conformidade com o “Modern Lifecycle Policy”.

Referencia: https://blogs.technet.microsoft.com/windowsserver/2016/07/12/windows-server-2016-new-current-branch-for-business-servicing-option/ e https://support.microsoft.com/en-us/lifecycle/search?alpha=windows%20server%202016

Vamos entender melhor o que isso significa e como é diferente do atual modelo.

No Windows 2012 novas features sempre eram acrescentadas no R2 e Service Packs, ou seja, era necessário aguardar até dois anos para ter as novas funcionalidades do SO.

Para as instalações de Windows Server 2016 Full e Server Core as atualizações serão enviadas por pacotes cumulativos, como se fosse um Service Pack. O mais atual para Windows 10 e Windows 2016 é o Anniversary Update. Novas features serão enviadas junto com estes pacotes.

Já no Windows Server 2016 Nano as atualizações carregam novas features, ou seja um novo recurso lançado no Windows será enviado para os servidores como um pacote opcional de 3 a 4 vezes por ano. Não haverá necessidade de esperar pelo update cumulativo para ter acesso a funcionalidades novas.

Em suma, teremos um Windows atualizado por 10 anos. Se utilizar a versão Full precisará aguardar os updates anuais cumulativos para ter acesso a novas funcionalidades. Se usar a versão Nano poderá ter acesso muito rápido quando novas funcionalidades ficarem disponiveis.

Licenciamento

Já conhecido no SQL Server 2012 o licenciamento por CORE se torna o padrão para o Windows Server.

A mudança tem um motivo muito simples, o numero de processadores (sockets) em um servidor low e medium profile (por exemplo Xeon E3 e E4) passaram a dimunir e o numero de CORE (empilhamento) aumentar com o aumento da miniaturização dos componentes.

Em tempos passados era comum uma maquina de 4 Sockets (processores) cada um com 4 ou 8 CORE. Hoje é muito mais comum máquinas de 2 Sockets e 48 CORE. Por exemplo, o Xeon E5-2650 tem 10 CORE e o E7-8890 tem 24 CORE.

Baseado nisso, os fabricantes estão mudando a cobrança de SOCKET para CORE e impondo um minimo de CORE para cada servidor.

Para entendermos melhor como se licenciava antes um servidor e como ficará agora, levando em conta que cada licença é comprada para 2 Processadores ou para 2 CORE:

SO Processadores COREs Total Tipo de Licença Licenças Necessárias
W2012R2 1 2 PROC 1 licença de 2 Socket(Proc)
W2012R2 1 10 PROC 1 licença de 2 Socket(Proc)
W2012R2 2 8 PROC 1 licença de 2 Socket(Proc)
W2012R2 3 24 PROC 2 licenças de 2 Socket(Proc)
W2016 1 2 CORE 8 licenças de 2 CORE (minimo)
W2016 1 10 CORE 8 licenças de 2 CORE (minimo)
W2016 2 8 CORE 8 licenças de 2 CORE (minimo)
W2016 3 24 CORE 12 licenças de 2 CORE

Ou seja, todos os servidores fisicos que você possua precisarão ser licenciados para no minimo 16 CORE mesmo que ele só tenha 4 CORE (Xeon E2).

Mas não se assuste, o valor que hoje se pagava por uma licença de 2 Processadores é equivalente ao pago pelas 8 licenças de 2 CORE. Ou seja, financeiramente para servidores comuns não haverá diferença.

E como ficam as licenças que já possuo por Processador?

Essa é a pergunta mais comum e a resposta é simples: Para cada licença atual de 2 Processadores/Socket (Lic2Proc) a Microsoft irá automaticamente converter e considerar como 8 licenças CORE (Lic2CORE).

Mas e se eu tenho atualmente um servidor com 2 Processadores e 24 CORE, terei que comprar 8 CORE (2 licenças Lic2CORE) adicional?

Neste caso é importante que você execute um SAM (Software Asset Management) antes de renovar seu contrato ou imediatamente antes de trocar seu servidor para documentar que havia essa situação.

Uma vez com o SAM arquivado e documentado, você poderá contar com as 24 licenças de CORE em outro servidor, mas exige uma atenção:

  1. Possuo atualmente um servidor de 24 CORE e comprei outro de 36 CORE: Precisará comprar 6 licenças (Lic2CORE) para complementar
  2. Comprei dois servidores de 12 CORE: Você não poderá “quebrar” as 12 licenças convertidas, pois elas são para um servidor e não licenças independentes

CONCLUSÃO

Execute um SAM imediatamente para documentar a situação dos seus servidores atuais.

Lembre-se que só precisará pagar se não documentar!!!!

Para leitura adicional e exemplos de conversão, baixe o documento de licenciamento: https://www.microsoft.com/en-us/licensing/product-licensing/windows-server-2016.aspx#tab=2

Posted: dez 26 2016, 17:41 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'mscs'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews The process cannot access the file 'D:\home\site\wwwroot\Visitas2.xml' because it is being used by another process. 2019: 2196021
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Novas Funcionalidades do Failover Cluster no Windows 2012

Um post no blog do time de produto do Windows 2012 levanta luz sobre novas funcionalidades que o MSCS (Microsoft Cluster Service) terá em http://blogs.technet.com/b/server-cloud/archive/2011/12/08/windows-server-8-hyper-v-and-high-availability.aspx.

Muitas funcionalidades são de gerenciamento e configuração, mas algumas se destacam:

  • Live Migration com multiplicas placas de rede – Hoje designamos uma placa para dar suporte ao Live Migration e somos limitados a uma VM por vez. O Windows 2012 utilizará todas as placas que estejam disponiveis para o processo, o que permitirá maior performance e multiplas operações. O processo será alterado de uma placa dedicada como é hoje para utilizar a banda livre em toda as placas.
  • Priorização e Afinidade de VMs – Estes eram dois tópicos delicados quando vendiamos soluções MSCS, pois não temos como indicar a sequencia com que as VMs deverão iniciar e, muito menos, a dependência entre elas. Isso causava problemas com aplicações como SharePoint, System Center ou IIS que dependiam do SQL Server estar iniciado para funcionarem. Como não podiamos indicar esta ordem os servidores IIS subiam antes do SQL, causando queda ou instabilidade nos serviços.
  • Novos limites de 63 nós e até 4000 VMs – Hoje o limite é 16 nós de cluster com até 1000 VMs ou 384 por host. Com o novo limite de 63 nós, aumentou correspondentemente para 4000 VMs. Um aumento de 4 vezes em número de host e VMs suportadas.
  • Transferencia de File Server transparente – Este é um dos itens muito importantes que para muitos passava despercebido em projetos e que na administração do dia-a-dia se davam conta. Quando se move um share de um File Server virtual de um nó para outro o SMB (protocolo de comunicação) derrubava a sessão e o usuário recebia uma mensagem de erro de I/O. No SMB2 no Windows 2012 será possivel fazer a migração sem a perda da sessão, resolvendo este problema. Adicionalmente isso também acontecerá se o File Server foi movido para um site remoto, porem neste caso entra o Hyper-V Replica que já é outro recurso novo no Hyper-V e não do MSCS

Quem quiser ler todo o conteúdo, segue o link http://blogs.technet.com/b/server-cloud/archive/2011/12/08/windows-server-8-hyper-v-and-high-availability.aspx

Posted: dez 09 2011, 14:09 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Windows | Windows 2012
Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'mse'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews The process cannot access the file 'D:\home\site\wwwroot\Visitas2.xml' because it is being used by another process. 2019: 2196021
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Microsoft Security Essentials disponivel para download

Finalmente ficou pronta a versão final do MSE: http://www.microsoft.com/Security_essentials/default.aspx?mkt=pt-br

Vale a pena utilizar, esse utiliza o engine (motor) do Windows Defender, o que incorrerá em pouco uso adicional da CPU.

Eu pessoalmente utilizo o ForeFront que desde a instalação a 4 meses não tive um malware.

Levando em conta que a base é a mesma, vale a pena !!!!

Importante: O link direto está com problema, clique em "Localidades" e escolha a versão do SO.

Posted: set 29 2009, 14:56 by msincic | Comentários (3) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Outros
Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'MSArc'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews The process cannot access the file 'D:\home\site\wwwroot\Visitas2.xml' because it is being used by another process. 2019: 2196021
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags