MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews The process cannot access the file 'D:\home\site\wwwroot\Visitas2.xml' because it is being used by another process.
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Adição de nós em Cluster-Problema com “Owner” da unidade CSV

SINTOMA

Ao acrescentar um novo nó em um cluster já existente enfrentei um problema no HA (High Avaliability) quando ao mover o storage ocorreu o erro “This node is not a possible owner for this resource”.

CAUSA

Em geral este erro não acontece, pois ao se acrescentar um novo nó ao cluster este já adiciona o novo host como “Possible Owner”, porem neste caso em especial o problema foi a configuração do iSCSI que estava incorreta e o novo host não conseguia acessar uma das unidades do CSV, ocasionando “Redirect Access”.

Após resolver o problema dos endereçamentos do iSCSI os discos ficaram visiveis, porem ele não era migrado para o novo host e acusa o erro indicando que o novo host não era um dos possiveis owners.

No caso de uma VM ou o Quorum basta clicar com o botão direito para acessar a lista de Possible Owners, mas isso não existe em unidades de storage.

Solução

Utilizando o PowerShell Modules execute o cmdlet abaixo e veja que uma das unidades do storage não tem o novo servidor na lista de nós:

Get-ClusterSharedVolume | Get-ClusterOwnerNode

ClusterObject                                            OwnerNodes
-------------                                               ----------
Unidade_G                                               {ServerA}
Unidade_H                                              {ServerA, ServerB}

Na sequencia utilize o comlet abaixo para definir os Owners da unidade que está incorreta:

Set-ClusterOwnerNode –Owners ServerA,ServerB -Resource "Unidade_G"

Por fim, execute o comando inicial novamente e veja que agora os Owners estão corretos:

Get-ClusterSharedVolume | Get-ClusterOwnerNode

ClusterObject                                            OwnerNodes
-------------                                               ----------
Unidade_G                                               {ServerA, ServerB}
Unidade_H                                               {ServerA, ServerB}

Nota

Antes de conseguir resolver o problema tentava utilizar o cmdlet Get-ClusterResource  | Get-ClusterOwnerNode porém unidades CSV não listados, com excessão do Quorum.

Posted: nov 08 2011, 18:03 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Emulador para Tape Drive compativel com DPM (VTL)

Desde os posts que montei sobre DPM e uso de Tapes (http://bit.ly/o5IFjG http://bit.ly/mZOtsz http://bit.ly/odf897) que me perguntam como montar o ambiente em laboratório.

O que é um VTL?

É claro que na ocasião utilizei um Tape Drive real, mas é possivel emular, e muito bem. Fiz isso ontem para testes com o DPM 2012 (http://bit.ly/uW3c0D) e notem que funciona perfeitamente. Esta tecnologia é chamada de VTL (Virtual Tape Library).

image[4]

O nome do programa que uso para VTL é o FireStreamer (https://www.cristalink.com/fs/Default.aspx) podendo emular até 8 robos com 255 tapes drives e 60 mil slots!!!

Se quiser baixar o programa para testes ou demonstrações com DPM pode utilizar a trial de 30 dias disponivel no site.

Mas qual a função real de um VTL?

Sua função é permitir backups ”long term” em mídias que não sejam tapes detectáveis pelo DPM ou outros softwares.

Por exemplo, imagine que sua intenção seja criar um backup movél para Blu-Ray ou HD Externo, uma vez que o DPM não enxerga estes dispositivos como library já que midias removíveis não são válidas. Outra necessidade comum é mover o backup para outra localidade e com o backup normal “short term” do DPM não é possivel por ser formato proprietário.

Nestes casos, a solução é usar um VTL e apontar a fita para o dispositivo desejado, que nada mais é do que um caminho de disco local, como mostra a imagem abaixo.

FireStreamer

Veja que no exemplo será emulado 5 Tape Drives com 200 slots ao todo, sendo que adicionei uma fita com apontando que irá criar um arquivo “Fita.bak” no diretório “Tapes”.

É isso ai, com este ou outro software VTL está resolvido o problema de uso de HDs externos para backup!!!

Exame 70-669–Microsoft Desktop Virtualization

Hoje passei no exame 70-669 que abrange as tecnologias de virtualização de desktops da Microsoft. Ele é o segundo de três exames necessários para o MCITP em Virtualização.

image

Vou detalhar as 4 principais tecnologias que são abordadas e alguns exemplos de perguntas. Obviamente que meu exame teve uma parte das perguntas possiveis e não vou passar exatamente os cenários nem as opções.

Seguem materiais de estudos obrigatórios para este exame:

APP-V (Application Virtualization)

Este é a tecnologia que a Microsoft adquiriu a alguns anos e se chamava SoftGrid. O conceito deste tipo de tecnologia é muito interessante, mas apesar de levar o nome de virtualização é bem diferente dos modelos que conhecemos no Hyper-V e MED-V. É formado pelo App-V Manager e o App-V Sequencer.

O trabalho começa ao “sequenciar” uma aplicação e criar um pacote. Este processo nada mais é do que um monitor que ao ser iniciado passa a copiar tudo o que acontecer em um desktop. Após iniciá-lo fazemos a instalação de um software e ao final temos o pacote (package) pronto com todos os arquivos, chaves de registro e atalhos.

Exemplos de perguntas sobre o App-V:

  • Um pacote ficou corrompido, qual a melhor forma de resolver?
  • Como você faria para distribuir um pacote sem ter o App-V Manager no ambiente?
  • Qual a ferramenta para garantir atualizações no pacote sem redistribui-lo?

Portal TechNet: http://technet.microsoft.com/en-us/appvirtualization/bb508934 e http://technet.microsoft.com/en-us/appvirtualization/cc843994

MED-D (Enterprise Desktop Virtualization)

O MED-V nada mais é do que um automatizador e gerenciador de imagens para o Windows Virtual PC do Windows 7, e é formado pelo gerenciador e pelo MED-V Workspace que fica no desktop.

Esta ferramenta irá permitir que as imagens de Windows XP criadas com aplicativos sejam distribuidas entre os usuarios. Por exemplo, imagine que duas determinadas aplicações não executem no Windows 7 e seja necessário usar o XP Mode. O MED-V ajudará a distribuir, atualizar e controlar estas VMs.

Exemplos de perguntas sobre o MED-V:

  • Como fazer para converter o MED-V já existente para Cluster?
  • Como otimizar a distribuição de imagens do MED-V pela rede?
  • Como evitar que o MED-V consuma muito espaço em disco no servidor?

Portal TechNet: http://technet.microsoft.com/en-us/windows/bb899442 e http://technet.microsoft.com/pt-br/windows/gg276319.aspx

RDS (Remote Desktop Services)

O RDS é o Terminal Services do Windows 2008 e dispensa grandes explicações. Porem, é importante lembrar que ele é formado por vários componentes: RD Gateway para garantir acesso pela internet, RD Web Access para criar o portal de aplicações pelo browser, RD Broker para distribuir e gerenciar afinidade entre o farm, RD Session para manter os perfis dos usuários.

É importante lembrar muito bem os papeis e como cada um deles se relaciona com outro e qual a melhor forma de trabalhar com estes papeis em uma empresa.

Exemplos de perguntas sobre RDS:

  • Dado um quadro de servidores com várias funções, qual deles seria colocado no Conexão da Area de Trabalho?
  • Como garantir que uma impressora do usuário não seja redirecionada para a sessão remota?
  • Como impedir que um pendrive seja mapeado na sessão remota?
  • Quais portas e serviços adicionais precisam estar habilitados entre os papeis do RDS?

Portal TechNet: http://technet.microsoft.com/en-us/library/cc770412.aspx e http://technet.microsoft.com/en-us/edge/ff945046

VDI (Virtual Desktop Infrastructure)

Esta tecnologia pode ser facilmente explicada como uma junção do RDS com o Hyper-V para criar ambientes virtuais de desktop. Você pode criar várias VMs de Windows 7 no Hyper-V e pelo AD Users and Computers vincular os usuários as VMs quando eles acessarem pelo RDS.

Esta foi a parte do exame que teve menos perguntas, já que o processo de VDI da Microsoft é extremamente simples de ser criado e configurado. Também não é facil encontrar documentação sobre isso, porem no Edge existem muitos vídeos.

Exemplos de perguntas sobre VDI:

  • Como fazer o licenciamento “per-user” e “per-device”, revogar de um ou outro e implementar?
  • Qual a melhor forma de transferir dados de uma VM para outra?
  • Como fazer com que um atalho apareça para todos os usuários?

Portal TechNet: http://technet.microsoft.com/en-us/edge/ff945049

É isso ai, bom exame e me conte se passou!!!

Posted: out 21 2011, 19:50 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Gerenciamento de Storage com o System Center Virtual Machine 2012

Seguindo a série de posts sobre recursos do SCVMM 2012 integrados com VMWare ESX e Xen Server agora abordaremos outro recurso que é o gerenciamento de storages. Post anteriores: Integração com live migration http://bit.ly/pf0v9M e Dynamic e Power Optimization http://bit.ly/pJ6KLf.

Com o VMM 2012 você poderá classificar storages pela performance, definir o storage a ser utilizado e criar as LUNs sem a necessidade de conhecer o software de cada fabricante. Ou seja, você poderá utilizar o conceito de virtualização de storage com as interfaces do VMM 2012.

API SMI-S

Uma nova funcionalidade que está sendo discutida com os fabricantes de storages é a criação de um protocolo de comunicação muito similar ao SNMP mas que permita detalhes das especificações de um storage, chamado de Storage Management Initiative Specification (SMI-S).

Este protocolo é um API baseada nos modelos CIM/WBEM, que muitos já conhecem por ser também a especificação básica do WMI presente nos sistemas operacionais Windows. Utilizar este procolo não é tão simples, e é necessário ter um CIMOM que nada mais é que um proxy para “traduzir” as APIs nativas do storage para o protocolo SMI-S.

Porem, os fabricantes de storages já tem estes padrões bem estabelecidos e com upgrades de firmware podem incluir o CIMOM, um deles é o OpenPegasus, no storage já existente.

SMI-S no VMM 2012

Agora entra em cena o VMM 2012 que possui a interface de comunicação SMI-S para se comunicar com os storages e obter informações, e com base nestas pode classificar os storages conforme a sua performance, como a tabela abaixo retirada do TechNet (referencia ao final do documento):

Storage

Automação de Storage no VMM 2012

Agora podemos colocar em prática esta funcionalidade por criar arrays de storage e vincular aos hosts.

Imagine que em sua empresa haja storages com disco SAS e SATA, onde a classificação automática é SILVER e BRONZE respectivamente e tanto o grupo de servidores quanto uma VM pode ter especificado não a LUN, mas sim a classificação.

VMM2012

Essa automação inclui a criação das LUNs, ou seja, não será mais necessário ter conhecimento do software do fabricante para criar as LUNs individualmente já que a API SMI-S implementa os comandos necessário para gerenciar.

Storage Groups

Figura 1 – Tela principal do gerenciador de storages

Storage Pool

Figura 2 – Pool default e criação de um novo pool

Storage Add

Figura 3 – Inclusão de um storage ao pool

Storage

Figura 4 – Vinculando um storage pool a um grupo de hosts hypervisors

Com este recurso o gerenciamento de um datacenter será mais fácil, e quando temos diversos storages independentemente do fabricante poderemos utilizá-lo de forma simples com as APIs SMI-S.

Referencia TechNet http://technet.microsoft.com/en-us/library/gg610600.aspx e http://blogs.technet.com/b/server-cloud/archive/2011/10/14/windows-server-8-standards-based-storage-management.aspx

Dynamic e Power Optimization do VMM 2012-Hyper-V + XenServer + VMWare

No post anterior sobre VMM 2012 abordei a capacidade de utilizar as 3 tecnologias de migração das VMs entre os host XenServer, VMWare e Hyper-V. Todos podem estar no mesmo grupo e utilizando o PRO Tips. Detalhes em http://bit.ly/pf0v9M

Mas agora vamos falar de duas novas features e como funcionam:

  1. Dynamic Optimization – Gerencia a agressividade com que as VMs são movidas entre os nós no modo “quente”
  2. Power Optimization – Desliga e religa nós do cluster conforme a utilização dos recursos
Dynamic Optimization

Esta feature irá gerenciar com qual nível de agressividade iremos fazer o balanceamento de carga nos hosts. É compativel com XenServer e VMWare desde que o BMC esteja instalado nos hosts. Note porem que o processo de migração das VMs ocorrerá entre os hosts do mesmo SO.

Note na tela abaixo que é possivel definir manualmente a frequencia em que este processo será executado. Tempos muito altos ocasionaram moves excessivos de VMs entre os hosts, tempos longos podem gerar lentidão em um host até que as VMs sejam movidas. O ideal é de 10 a 30 minutos para detecção e solução.

Abaixo vemos a configuração considerada ideal para que o VMM detecte a necessidade de move de VMs. No exemplo temos 30% de CPU, 512 MB de memória livre e não levamos em conta IOPS e Network pois esses dois itens comulmente são compartilhados entre os nós de um cluster e não são otimizados com moves entre os nós.

image

NOTA: Lembrando mais uma vez que esta configuração é feita nos grupos que podem contem Hyper-V, Xen Server e VMWare e que os moves irão acontecer entre estes servidores com o mesmo SO e não entre os diferentes SOs. Alem disso é necessário no caso do VMWare e do Xen Server que estejam em cluster.

Power Optimization

Este novo recurso é muito interessante, levando em conta que muitos cluster tem o dobro da necessidade média levando em conta os picos. O Dynamic Optimization ajuda no momento em que o pico ocorre a distribuir as VMs, mas e quando há sobra de recursos?

O Power Optimization irá desligar os nós que não sejam necessários quando a utilização dos hosts reduzindo nós terá umca determinada capacidade e no horário escolhido.

No exemplo abaixo iremos desligar o host desde que a utilização dos outros nós com os moves de VM não fiquem acima de 40% e 1GB de RAM, e desde que esteja em horário noturno ou final de semana.

O processo de desligamento é um shutdown  sendo que o religamento é realizado por pacotes WOL (Wake On Lan) que precisa estar habilitado na BIOS do host. Alem disso nos hosts ESX e Xen Server é necessário ter o BMC, assim como no Dynamic Optimization.

Alem disso, existe uma proporção para esse recurso:

  • Cluster de 4 ou 5 nós – 1 nó será desligado
  • Cluster de 6 ou 8 nós – 2 nós serão desligados
  • Cluster de 9 ou 10 nós – 3 nós serão desligados
  • Acima de 10 nós – 1 nó adicional pode ser desligado a cada 2

image

NOTA: O recurso Power Optimization só funcionar entre nós do cluster e não host-to-host.

Referencia: http://technet.microsoft.com/en-us/library/gg675109.aspx

Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'portas live'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews 2018: 192015
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Portas e URLs utilizadas pelo Windows Live Messenger

Fonte: Arnaldo Fagnani, http://green.com.br/bloginfra/?p=39

A tabela a seguir lista as portas de rede necessárias para vários recursos do Windows Live Messenger 8.1 em um computador baseado no Windows Vista.

Recolher esta tabelaExpandir esta tabela
Recurso Porta usada
Entrada no serviço Messenger TCP 80, 443, 1863
Detecção da rede TCP 7001
UDP 9, 7001
Áudio TCP 80, 443, 1863
TCP/UDP 30000 - 65535
Áudio (Herança) * UDP 5004 – 65535
Conversas com webcam e vídeo TCP 80
TCP/UDP 5000 - 65535
Transferência de arquivos TCP 443, 1863
TCP/UDP 1025 - 65535
Transferência de arquivos (Herança) * TCP 6891 - 6900
Compartilhamento de Pastas TCP 1863
TCP/UDP 1025 – 65535
Quadro de comunicações e Compartilhamento de aplicativos TCP 1503
Assistência remota TCP 3389
TCP/UDP 49152 – 65535
Windows Live Call TCP 443, 5061
UDP 5004 - 65525
Jogos TCP 80, 443, 1863
TCP/UDP 1025 - 65535

* Essas portas são usadas quando você está conectado a um contato por meio de um programa cliente herdado, como o MSN Messenger 5.0 ou qualquer versão do Windows Messenger.

URLs

A tabela a seguir lista os URLs aos quais o Windows Live Messenger se conecta.

Recolher esta tabelaExpandir esta tabela
URL usado Função do URL
https://Login.live.com (https://Login.live.com) Autenticação HTTP sobre SSL (HTTPS) para o Windows Live ID e aquisição de certificados x509 para conexões ponto a ponto (p2p) seguras para o recurso Compartilhamento de Pastas
http://Login.live.com (http://Login.live.com) Autenticação HTTP para o Windows Live ID
https://*.contacts.msn.com (https://*.contacts.msn.com) Obtenção da lista de contatos
https://*.storage.msn.com (https://*.storage.msn.com) Armazenamento do quadro do usuário, mensagem de status pessoal e nome de exibição de usuários para que o usuário possa ter o mesmo conjunto de informações em todas as experiências do Windows Live em computadores de trabalho e domésticos; (protocolo SOAP sobre HTTPS)
http://*.storage.msn.com (http://*.storage.msn.com) Armazenamento do quadro do usuário (HTTP DAV) e aquisição de imagens do Windows Live Space de um usuário
http://c.msn.com (http://c.msn.com) Para definir um ID exclusivo e anônimo para um usuário personalizar a experiência do Windows Live
http://*.messenger.msn.com (http://*.messenger.msn.com) Várias operações principais do messenger
http://g.msn.com (http://g.msn.com) URLs de redirecionamento usadas no rastreamento do início do URL de uma página específica para sites da Microsoft
http://crl.microsoft.com (http://crl.microsoft.com) Para acessar a Lista de Certificados Revogados (CRL) para verificar a validade de um certificado
http://messenger.hotmail.com:1863 (http://messenger.hotmail.com:1863) Canal de comunicações para o servidor do messenger; Microsoft Notification Protocol (MSNP) para sistema de mensagens
http://gateway.messenger.hotmail.com (http://gateway.messenger.hotmail.com) Caso um firewall esteja bloqueando as portas, o Messenger pode usar esse gateway sobre HTTP
http://config.messenger.msn.com (http://config.messenger.msn.com) Download das informações de configuração usadas pelo cliente do Messenger
https://ows.messenger.msn.com (https://ows.messenger.msn.com) Envio de mensagens offline
https://rsi.hotmail.com (https://rsi.hotmail.com) Recebimento de mensagens offline
http://sqm.microsoft.com (http://sqm.microsoft.com) Carregamento de dados Service Quality Monitoring (SQM) para a Microsoft; (nenhuma informação de identificação pessoal é transferida)
http://*.edge.messenger.live.com (http://*.edge.messenger.live.com) Várias operações principais do Messenger. Por exemplo, servidores de eco usados para estabelecer conectividade direta entre dois clientes do messenger para comunicação ponto-a-ponto quando os clientes estiverem protegidos por um firewall
http://relay.data.edge.messenger.live.com (http://relay.data.edge.messenger.live.com) Media relay usado para transferir dados binários (arquivos, voz ou vídeo)
http://rad.msn.com (http://rad.msn.com) Para fazer o download de conteúdo de publicidade para exibição no cliente e para fazer o download de conteúdo de expressão pessoal patrocinado por anúncios, como imagens de exibição e emoticons
http://appdirectory.messenger.msn.com (http://appdirectory.messenger.msn.com) Usado pelos aplicativos de atividades/jogos do Messenger que são executados dentro de aplicativos do Messenger
https://images.messenger.msn.com (https://images.messenger.msn.com) Para arquivos de imagem do messenger
http://spaces.live.com (http://spaces.live.com) Para o cartão de visita
http://relay.voice.messenger.msn.com (http://relay.voice.messenger.msn.com) Media relay usado para voz

Observação Os usuários atrás de um servidor proxy de autenticação podem ter problemas de entrada. Eles podem ter que configurar os servidores proxy para forçar a autenticação para a seguinte cadeia de caracteres do Agente de Usuário: MSN Explorer/9.0 (MSN 8.0; TmstmpExt). Para isso, os usuários devem consultar a documentação do seu servidor proxy ou entrar em contato com o administrador da rede.

Posted: abr 29 2009, 14:45 by msincic | Comentários (11) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Sharepoint
Login