MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

TechNet Webcast: Visão Geral Técnica: System Center Configuration Manager 2007 SP2 e R3, dia 2/6/2010

 

Idioma(s):  Português. 
Produto(s):  Outros,Windows 7,Windows Server 2008. 
Público(s):  Generalista de TI.  
Duração:  60 Minutos 
Data de Início:  quarta-feira, 2 de junho de 2010 12:00 Brasília  
  
Visão Geral do Evento 
Com o lançamento dos sistemas operacionais Windows 7 e Windows Server 2008 R2, novas capacidades e cenários de uso estão surgindo para o gerenciamento de sistema. Questões econômicas, regulamentárias, sobre TI Verde e segurança continuam a ser os desafios que as organizações enfrentam. Neste Webcast, fornecemos uma visão geral e uma atualização técnica sobre o Microsoft System Center Configuration Manager 2007. Focamos nas melhorias do Service Pack 2 e R3, capacidades de mercado e em descrever nossa estratégia de lançamentos a curto prazo.

Palestrante: Marcelo Sincic e Wesley Fernandes

Registro: https://msevents.microsoft.com/CUI/WebCastEventDetails.aspx?EventID=1032444323&EventCategory=4&culture=pt-BR&CountryCode=BR

 

Posted: mai 28 2010, 13:45 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

System Center Configuration Manager v.Next

Já a algum tempo que esperamos pela nova versão do SCCM. A atual versão do System Center Configuration Manager 2007 SP2 já está com um release em Beta que é o R3, um pacote com alterações interessantes. Aproveitando o post estarei apresentando no dia 2/6 as 12:00 um webcast sobre o SCCM SP2+R3 (https://msevents.microsoft.com/CUI/WebCastEventDetails.aspx?EventID=1032444323&EventCategory=4&culture=pt-BR&CountryCode=BR).

Agora temos oficialmente o anuncio de que o v.Next está pronto para o Beta 1. Ainda não está disponivel para download, mas já temos um ppt explicando as alterações que estão previstas.

Documento: Configuration Manager VNext Technical Overview Dec 2009 -MSConnect.pdf (4,33 mb)

Algumas das principais mudanças estão no primeiro pila que é o gerenciamento de funções do usuario, incluindo agora um portal para o proprio usuário escolher os softwares disponiveis para instalação. No pilar administração uma das mudanças e agora ser possivel distribuir alguns pacotes de correções especificos, alem de evoluir nos papeis e como são dispostos. No terceiro pilar, o gerenciamento de clientes, foram incluidas funções interessantes no RDP e incorporado o que hoje é um addin para fazer atualições offline em imagens.

Como faço parte do grupo de TAP assim que receber o Beta irei instalar e postar as mudanças.

Posted: mai 24 2010, 21:12 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Instalando o System Center Configuration Manager R3 Beta no Windows 2008 R2

Olá pessoal, hoje baixei e fui instalar o SCCM R3 que foi liberado para os influenciadores e testers aprovados no final da semana passada, já que no dia 02/06, uma quarta feira as 12:00 estarei junto com o Wesley Fernandes o webcast sobre as novidades do SP2 e R3 (https://msevents.microsoft.com/CUI/WebCastEventDetails.aspx?EventID=1032444323&EventCategory=4&culture=pt-BR&CountryCode=BR)

Os passos adicionais para instalar no Windows 2008 estão abaixo, mas notei uma estranha limitação. Não é possivel instalar o SCCM R3 em um System Center licenciado, ou seja, você precisará baixar a versão de avaliação (EVAL) com SP2 para poder instalar o R3. Estranho, mas é isso mesmo.

Sendo assim, segue um pequeno guia para quem quiser instalar o R3:

É isso ai, estas semanas vou começar a fazer mais testes com o R3 e posto em breve.

Posted: mai 10 2010, 15:18 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: System Center

FAQ de Certificações na Familia System Center: Exames e Cursos Oficiais

Eu recebo e atendo clientes constantemente aqui no Centro de Treinamento (CPLS) em que trabalho com dúvidas sobre certificações da familia de produtos Sharepoint. Então segue um breve FAQ sobre isso:

  1. Existem certificações para todos os produtos da familia System Center?
    Resposta:
    Não. Existe certificação para 4 dos produtos, os principais como no gráfico abaixo. Os produtos System Center Essentials não tem certificação porque é um subset do SCCM e do SCOM. Tambem não há exame para o SCSM (Service Manager) ainda, mas em breve haverá pois já houve o anuncio de que está perto do lançamento final. Por ultimo não há e nem haverá certificação para os produtos System Center Capacity Planner já que esse produto está sendo descontinuado.
  2. Está disponivel as certificações série Profissional (MCITP) para os produtos System Center?
    Resposta: Não
    . Os produtos System Center possuem apenas a série especialista (MCTS), como no gráfico acima. O motivo é que estes produtos são complementares a infraestrutura existente. Por exemplo, a pessoa que se certificar no SCVMM deveria ter, não obrigatoriamente, o exame de Windows Hyper-V. Para o SCCM o candidato deveria ser um MCITP em suporte e para o SCOM já ter experiencia e certificação MCITP/MCSE em Windows Server.
  3. Existem cursos oficiais para os produtos System Center?
    Resposta
    : Sim, parcialmente. Conforme o gráfico abaixo mostra o SCOM e o SCDPM utilizam um curso da linha Courseware Library que não são cursos desenvolvidos pela Microsoft e sim por parceiros ou MCTs que passaram por um processo de aprovação da comunidade. Isso não implica em queda de qualidade, mas apenas é um formato que a Microsoft disponibilizou para que parceiros tambem pudessem comercializar treinamentos de qualidade.
  4. É dificil ser aprovado nos exames de System Center?
    Resposta: Nem sim, nem não. Os exames de System Center não são tão dificeis como eram os de design de AD, por exemplo, onde o curso preparava de forma muito superficial o aluno para o exame, já que os treinamentos abrangiam configuração e design teórico enquanto o exame era estudo de casos reais. Porem, nos novos exames, o que inclui Windows 2008, Windows 7 e outros produtos, os cursos já estão mais voltados a certificação com material de estudo no CD/DVD que vem na apostila. E você sempre tem a opção de assistir os webcasts no TechNet (www.microsoft.com/brasil/technet) e os preparatórios para exame (http://cli.gs/4nDBzX).

Bem, espero ter ajudado e conforme surgirem novas perguntas vou incluindo no post.

Posted: abr 30 2010, 14:50 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Instalando Client do Configuration Manager no Windows 2008 R2 (Domain Controller)

O Windows Server 2008 R2 DC oferece resistencia a instalação automática do client pela interface do System Center. O problema é que o Windows 2008 R2 quando também é um DC só permite execução de programas automáticos no modo User.

Para instalar siga os passos a seguir, os segredos são o prompt em modo elevado, execução local e como serviço no Windows:

  1. Acesse o diretório ou compartilhamento da rede onde o client se encontra e copie o conteudo da pasta client para seu disco local
  2. Abra o prompt de comando como Administrador
  3. Accesse a pasta e execute: ccmsetup.exe /mp:<MP server> /Service
  4. Verifique no Services do Windows se foi instalado o serviço ccmsetup e se está iniciado

Após o final o serviço irá ser apagado e o cliente estará funcionando.

Posted: mar 15 2010, 16:32 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'java'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Vulnerabilidade do Java explorada no Firefox

Ontem fiquei das 23:00 até as 3:00 da manhã para desativar e só hoje consegui resolver definitivamente a infecção que explorou a vulnerabilidade do Java no Firefox (figura 1), sendo que já estou com a versão 11.

Notei que ao entrar no site uma empresa de software legitima, apareceu o ícone do Java e instalou um falso antivírus que não me deixava abrir nem o prompt de comando, gerenciador de tarefas ou outras aplicações.

Alem disso ele desabilitou o McAfee e não permitia acesso para atualização das politicas e DATs por ter desabilitado os serviços, como mostra o gerenciador NAP de conexão a minha rede corporativa (figura 2).

E o pior é que o McAffee só enxergou o trojan (figura 1) depois que eu MANUALMENTE fiz o update do DAT (Daily DAT Update) e já tinha achado o vírus em Modo de Segurança, que é um arquivo com o nome VWTFRZIUZ.exe no diretório TEMP dentro do perfil do usuário.

O motivo é que o JRE 6.0.31 é o Java não vulnerável, mas não atualiza o Firefox que continua com a versão antiga (figura 3) porque o instalador do JRE 6.0.31 não remove o JRE 6.0.30 que é vulnerável, e com os dois instalados a vulnerabilidade continua ativa (figura 4).

Recomendo que vocês façam o que tive que fazer depois de já infectado:

  • Verifiquem qual o JRE que o Firefox de vocês está utilizando
  • Se for anterior ao JRE 6.0.31 removam manualmente o JRE pelo painel de controle do Windows
  • Instalem o JRE 6.0.31 pelo link: http://java.com/en/download/inc/windows_new_xpi.jsp se precisa do Java
  • Desabilite o plugin do Java nos navegadores e habilite apenas nos sites que realmente necessita

clip_image002

Figura 1 – Trojan instalado utilizando a vulnerabilidade do JRE 6.0.1

image

Figura 2 – Antivirus desativado pelo trojan

clip_image006

Figura 3 – Aviso do Firefox de que o JRE 6.0.3 ainda estava instalado

clip_image008

Figura 4 – Coexistencia dos JREs, sendo que o 6.0.3 é o vulnerável

Posted: mar 21 2012, 11:49 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Segurança

Análise: Oracle e Sun-O que esperar? - Atualizado em 11/11

Nota: Desde que publiquei este post a primeira vez em 15/06/2010 vários desdobramentos ocorreram. Eu estou linkando outras fontes e destacando as atualizações.

Desde que a Sun Microsystems comprou o MySQL que comento com meus amigos e alunos que isso parecia uma manobra comercial (http://www.mysql.com/news-and-events/sun-to-acquire-mysql.html). O motivo é que a Sun já amargava prejuízo a um bom tempo e esta compra não parecia lhe trazer benefícios. Passado um ano começamos a ver a movimentação da IBM e da Microsoft para comprar a Sun, que acabou sendo vendida para a Oracle em abril/2009 (http://info.abril.com.br/noticias/negocios/oracle-compra-sun-por-us-7-4-bilhoes-20042009-5.shl).

A Oracle não é uma empresa que tem o costume de manter produtos que compra e sim agregar os colaboradores. Tanto é que produtos como PeopleSoft, BEA e JD Edwards já tiveram seus programadores desviados e os produtos estão ficando desatualizados. Sendo assim, qual impressão tenho desde este evento, e o que está se confirmando?

Oracle declarada inimiga do Open Source (11/11)

Nos ultimos dias se avolumou os problemas com a Oracle o os integrantes de programas Open Source:

Oracle começa a mostrar o que quer com a Sun

A Oracle quer ter seu próprio hardware e software. Isso pode ser notado claramente na noticia de que a Oracle deu indícios de que irá “fechar” o Open Solaris neste sábado, dia 14/8 (http://computerworld.uol.com.br/negocios/2010/08/16/oracle-vai-abandonar-o-pacote-opensolaris/) incluindo referencias a que irá proteger seus direitos autorais com as distribuições sobre o CDDL, e note o tom sugestivo do comunicado "”…não podemos permitir que concorrentes criem recursos ligados a partir de nossas inovações, antes de nossa organização.”

A frase acima é importantíssima por vários motivos. Primeiro, demonstra que a Oracle não tem a mínima intenção de evoluir produtos que são gratuitos, o que inclui o Java e o MySQL. Segundo, a Oracle não tem interesse em compartilhar com as comunidades suas inovações, já que é uma empresa voltada ao lucro.

Outros indícios disso são o fato de que a Oracle na quinta dia 12/8 processou o Google por utilizar uma variação “não autorizada” do Java no Android (http://computerworld.uol.com.br/negocios/2010/08/13/oracle-processa-google-pelo-uso-de-patentes-java-no-android/). A alegação é que o Java e suas VMs são baseadas em distribuição abertas, mas isso não dá direito a que se criem novas engines utilizando o que seria “…diretamente e repetidamente infringiu a propriedade intelectual ligada ao Java…”. Ou seja, usar o Java tudo bem, mas criar novas funções a partir do Java é visto como uma violação.

Mais uma reviravolta foi quando a biblioteca ODF que converte documentos feita em Java pela Sun passou a ser cobrada no começo do ano (http://www.guj.com.br/posts/list/204350.java), preocupando quem utilizava esta importante ferramenta.

E agora, o que podemos esperar?

Java – Seu futuro é incerto como o de Santo Cristo na voz do Legião Urbana. Dois problemas muito sérios existem:

  1. O Java não é GPL puro já que a JCP pode barrar qualquer coisa, com a intenção de impedir que fossem feitas “bagunças” nas classes e ficasse uma baderna. Ou seja, qualquer incremento pode ser visto como um “crime” pela Oracle, como está fazendo com o Google (http://forum.datasus.gov.br/viewtopic.php?f=32&t=163)
  2. A Oracle é um empresa monetizada, e até que ponto ela irá manter o Java gratuito (não é e nunca foi aberto), sendo que no momento da compra da Sun o Java foi indicado como o grande desejo da Oracle?   O próprio Goslin declarou nesta quarta (25/8) que já está pensando em formas de manter o Java vivo e que a conferencia JavaOne agora em setembro é o ponto crucial nesta discussão. Mas ele já coloca que para dar certo o movimento tem que começar com clientes da Oracle que fazem diferença monetariamente (http://computerworld.uol.com.br/negocios/2010/01/22/sob-o-controle-da-oracle-futuro-do-java-e-incerto/ e http://computerworld.uol.com.br/tecnologia/2010/08/25/pai-do-java-pressao-pode-fazer-com-que-oracle-mude-postura/)
  3. Atualização em 30/08: Google resolveu se ausentar do JavaOne, maior evento de Java e um dos maiores e mais respeitados eventos dos apoiadores de open source. O motivo declarado pelo Google é que o “processo contra o Google e o código aberto tornou impossível para nós compartilhar livremente nossos pensamentos sobre o futuro do Java e do open source de forma geral”. Com certeza uma afirmação “dolorosa” e expressiva (http://computerworld.uol.com.br/negocios/2010/08/27/google-cancela-presenca-no-javaone-apos-briga-com-a-oracle/)

Java para celulares – Ai reside um problemão. O MIDP e o J2ME são padrões aceitos pelo JCP, mas outros padrões utilizado em alguns celulares da Motorola, Sony Ericsson e outros são customizados como foi feito no Android. O que a Oracle vai fazer?  Se já foi brigar com o “grandão” Google vai poupar os outros?

OpenOffice – A Oracle não irá manter as atualizações tão constantes e deverá deixar grande parte do trabalho para a Novell e IBM, parceiras do projeto. E não duvido que não passe a cobrar versões mais sofisticadas, como acontece com o BROffice e recentemente com o plug-in ODF.
Atualização em 28/09: A Document Foundation se desligou e iniciou um projeto alternativo exatamente por conta da Oracle, conforme o comunicado oficial a imprensa (http://www.documentfoundation.org/contact/tdf_release.pdf), e um dos seus representantes, o famoso Richard Stallman também atribui isso aos movimento da Oracle, mesmo sem dizer o nome da empresa (http://www.documentfoundation.org/supporters/). Veja que os principais mantenedores do OpenOffice estão neste novo projeto, como FSF, Novell, Google, Red Hat, Ubuntu, Gnome e outros.

MySQL – Duvido que a Oracle irá manter um produto que compete com o que ela é de origem. Não sei o que será feito, mas o Oracle Express Edition não está ai para ser um capacho do MySQL.

OpenSolaris – Já está claro o que vai acontecer com este SO.

VirtualBox – É com dor no coração que acredito no mesmo futuro que o OpenOffice, só que mais cedo. Em pouco tempo a equipe será desmontada e o produto irá começar a definhar, a menos que decidam uma versão paga. Já penso em me preparar para outro virtualizador que faça VMs em 64 bits no Windows 7.

Quem é o maior beneficiário disto tudo?

Se alguém falasse que isso tudo está sendo feito pela Microsoft logo diriam que estariam comprando o produto só para prejudicar e depois vender o .NET, mas não é o caso.

Mesmo assim, o maior beneficiário é a Microsoft, por vários motivos. Primeiro é a incerteza do futuro do Java. Segundo que a Oracle, parceira de longa data da HP e IBM, passa a competir com estes no mercado de hardware e SO para servidores. Terceiro que do mesmo capitalismo que acusam a Microsoft a Oracle é mestre. E por fim, tantos odeiam o Larry Elisson quanto odeiam o Bill Gates.

O .Net se firma como uma plataforma confiável para o futuro, a Microsoft poderá receber incentivos para melhorar seus sistemas para competir com os storages pela Dell e IBM. A HP pode contribuir com máquinas para datacenter mais “parrudas” e embutir o Windows como padrão. O SQL Server ganha espaço com a incerteza do que irá acontecer com o MySQL e os custos bem mais altos de licenciamento do Oracle.

As possibilidades são várias, o que resta é esperar para ver o que vai acontecer e torcer para ninguém sair machucado nesta guerra que está só começando. Mas uma certeza já tenho, a Oracle não brinca em serviço e está mostrando qual é a sua intenção.

Posted: set 28 2010, 10:40 by msincic | Comentários (5) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Outros
Login