MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Familia System Center Crescendo... Novidades !!!

Os produtos da linha System Center estão mostrando as suas novas versões, antes chamadas de vNext e agora alguns como 2012 e outros com nomes oficiais. Diversas novidades vimos no MVP Summit em fevereiro, mas eram NDA até o lançamento das novas versões esta semana no MMC 2011.

O primeiro e o mais aguardado é o System Center Virtual Machine Manager 2012 (VMM 2012) BETA. Este produto reserva muitas alterações e implementações, principalmente levando em conta que sua ultima versão oficiai é VMM 2008 R2.

Uma das novas funções é o Fabric que permite criar ambientes com funções pré-programadas como por exemplo, Hyper-V, SQL, File Server, NAP e assim por diante. Imagine a situação de um datacenter onde eu ofereço ao cliente um pacote de funcionalidades do Windows Server. O Fabric permite que estas funcionalidades sejam mostradas como se fossem opções no momento da criação da VM sobre o template existe. Com isso eu uso o template do Windows Server 2008 R2 e seleciono os papéis que desejo e a VM é criada e por PowerShell o próprio VMM configura e habilita as features desejadas. Outra funcionalidade do Fabric é gerenciar os storages e produtos de terceiros.

Outra funcionalidade interessante é que o PRO Tips agora será integrado com as métricas do System Center Operations Manager (SCOM) e irá gerar os alertas de forma centralizada, permitindo muito mais interação entre o produto de monitoração e o VMM.

Este é um resumo dos itens que achei mais interessante, para ver mais detalhes e instalar o VMM 2012 veja este link:http://bit.ly/h0TGnT

O segundo produto mais aguardado da familia é o System Center Configuration Manager 2012 (SCCM) BETA 2. A interface foi finalmente remodelada deixando de lado os treeviews que vinham desde o SMS 2. Já discuti em outros posts as mudanças que este produto traz ainda com o nome de vNext.

Uma das mais interessantes funcionalidades que o SCCM 2012 tem é permitir que os agentes sejam configurados por coleção e não por site como acontece na versão atual (http://bit.ly/e5s4SE).

Para baixar o SCCM 2012 Beta 2 acesse o link http://bit.ly/f72TZw e aprenda desde já mais sobre este produto, que se aprimorou muito e deixou de lado o legado do SMS 2, como por exemplo, a versão 32 bits.

O terceiro produto que estava em beta e agora se tornou versão final é o Windows Intune, produto para gerenciamento de ambiente baseado em cloud. Muitas vezes simplificamos que o Intume é o SCCM cloud, porem ele tem uma visão diferente disso.

O Intune permite distribuição de software, inventário e outras opções que existem no SCCM, mas ele não tem contem algumas e acrescenta novas. Por exemplo, o Intune permite distribuir regras para as maquinas monitoras

Para utilizar o Intune por 30 dias ou licenciar para sua empresa acesse o link http://bit.ly/eR5uYb

O quarto produto lançado é o Windows Advisor BETA (PROJETO ATLANTA) que permite monitorar servidores Windows Server 2008 e SQL Server 2008 online. Não é o mesmo que o Intune já que este se destina a produtos especificos e servidores.

O interessante do Advisor (Atlanta) é que ele mescla funções do MBSA e BPA’s (Best Practices Analyser) com o monitoramento do SCOM. Ele não é um SCOM Cloud já que não tem tem todas as funcionalidades de customização, mas faz bem o trabalho.

Para o Advisor vou montar um laboratório e postarei detalhes em breve, mas o testdrive pode ser feito pelo link http://bit.ly/e2knwl

Por fim, o ultimo produto lançado da lista que eu achei importante é o Projeto CONCERO que ainda está em Beta fechado mas promete ser um ótimo produto.

O Concero resolve uma lacuna quando se inicia um processo de convivencia com cloud. Por exemplo, como gerenciar um grupo de servidores onde tres são on-premise e os outros dois estão no Windows Azure? Esta é a função do Concero, gerenciar ambientes mistos entre nuvem e on-premise de forma unificada.

Quando o produto se tornar aberto ao publico, com certeza postarei novidades. Dados sobre o produto podem ser visto em http://bit.ly/gl97BU

Alem destes ainda esperamos maiores detalhes do System Center Operations Manager 2012 (SCOM) e o System Center Data Protection Manager 2012 (DPM) todos nas suas versões vNext.

Forçando a Reinstalação do Cliente do SCCM 2007

Em certos casos a reinstalação do cliente do SCCM 2007 pode ficar comprometida, principalmente quando houve uma clonagem ou o computador foi renomeado e não reporta mais corretamente. Nestes casos o cliente não se instala e é necessário seguir alguns passos.

SINTOMA

Após renomear ou clonar uma maquina o SCCM não reporta a nova maquina ou duplica na lista de sistemas.

É bom lembrar que para saber se realmente temos um problema precisamos esperar o periodo completo de DDR executado pelo Heartbeat Discovery. Este periodo é onde o cliente envia um status completo DDR (Discovery Data Record).

Nestes casos tentamos desinstalar o cliente e reinstalar, porem o processo “ccmsetup” trava e não executa nenhuma tarefa, estacionado pelo Task Manager sem qualquer atividade.

CAUSA

O SCCM identifica um cliente não pelo seu nome mas sim pelo seu ID (coluna Record ID no banco de dados). Nestes casos vários clientes estão com o Resource ID causando este comportamento anomalo.

Ao desinstalar um cliente que no passado já esteve operacional e reportou inventários, os dados continuam na maquina local para execução rápida (delta) nos inventários seguintes. Desta forma, algumas configurações passadas ainda estão presentes e o instalador acaba por ficar inativo.

SOLUÇÃO

Siga uma sequencia de passos para limpar dados anteriores e fazer uma nova instalação:

  1. Vá no Task Manager e derrube o processo CCMSETUP.EXE que está em execução
  2. Abra o Explorer e apague os diretórios CCM e CCMSETUP que estão no Windows\System32. É possivel que ocorra um erro ao deletar os diretório acusando que estão em uso, reinicie a maquina e delete o diretório
  3. Delete o arquivo SMSCFG.ini no diretório Windows, bem como o conteudo do diretório Windows\MS\SMS
  4. No console do SCCM delete as maquinas que estão com problema
  5. Execute as tarefas de discovery manualmente e aguarde que as maquinas apareçam no console novamente
  6. Quando as maquinas reaparecerem basta instalar o cliente manual ou mesmo em modo Push

Em alguns casos nem isso resolverá. Se continuar reportando em maquinas erradas compare os arquivos Windows\SMSCFG.ini das maquina e verifique se o SID do AD é o mesmo nas duas. Se este for o caso, o unico jeito é reinstalar. Isto acontece porque foi feito uma clonagem da maquina sem executar antes o SYSPREP ocasionando duplicata de SIDs o que geram para o SMS um mesmo GUID.

Posted: mar 18 2011, 15:06 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Console do SCCM 2007 não conecta ao banco de dados

Este erro acontece com frequencia em clientes, então achei por bem definir o motivo e a solução.

SINTOMA

Ao tentar abrir o console do SCCM você recebe a mensagem abaixo.

image

CAUSA

Normalmente isso acontece porque o usuário atual não é o mesmo que fez a instalação do SCCM. As permissões no SCCM são granulares e não integradas ao AD, portanto ser um Domain Admin não irá dar permissões ao SCCM.

SOLUÇÃO

Entre com o usuário original que efetuou a instalação do SCCM, vá no menu “Security Rights” –> “Users” e crie um novo usuário nas permissões pedindo para copiar as permissões do atual administrador, como a imagem abaixo.

image

Voilá !!!!!   Agora seu usuário conseguirá acessar normalmente.

Posted: mar 15 2011, 17:00 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Windows Automated Installation Kit (AIK) for Windows 7 SP1

Ontem (18/02/11) foi liberada a nova versão do Windows AIK agora adaptada para incluir o Windows 7 SP1 e Windows 2008 R2 SP1. Para baixá-lo clique aqui Windows AIK.

Muitos se perguntam: Porque é necessário um novo AIK a cada versão do Windows incluindo um Service Pack?

O motivo é que o AIK não é apenas o ImageX mas sim uma coleção de ferramentas que fazem a adaptação da imagem para rodar em distribuição centralizada. Por exemplo, o DISM permite alterar as opções de configuração da maquina ainda na imagem, e como um Service Pack altera opções, como por exemplo, o suporte a RemoteFX e assim por diante, é necessário atualizar a biblioteca de configurações das ferramentas.

O mesmo acontece com o MAK e o VAMT que não reconhecem a versão 6.1.7601 que é o Windows 7 SP1 e ocasionalmente pode não ativar copias “Windows 7 With SP1” ou “Windows 2008 R2 with SP1”.

E principalmente, agora temos um novo WinPE 3.1 (Windows Pre-Environment).

Mas surge outra pergunta: E se eu continuar usando o WAIK anterior?

O problema neste caso é que o WinPE passou da versão 3.0 para 3.1 que não dá suporte aos novos arquivos e chaves de registry adicionadas no Windows 7 SP1, mas haveriam algumas modificações que não estão no WinPE 3.0, como por exemplo, o problema que comentamos anteriormente sobre imagens lentas por causa da mudança no tamanho de cluster dos fabricantes de HD (veja mais em Tamanho de setor em HDDs novos influi em imagens e performance).

Porem, nada impede que continue a usar o WAIK anterior tanto no MDT quanto no System Center Configuration Manager 2007.

Para mais detalhes, o que inclui instalar o novo WAIK no Windows 7 ou Windows 2008 R2 sem o Service Pack 1, leia o Readme em http://technet.microsoft.com/en-us/library/dd349350(WS.10).aspx

 

IMPORTANTE: O novo WAIK ainda não está homologado para rodar no SCCM 2007, então siga o blog do time de System Center e AIK da Microsoft para esta informações

Posted: fev 19 2011, 11:13 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Microsoft IT ShowCase–Exemplos práticos de implementações

Que tal ter numeros prontos para apresentar sobre um produto?

Essa é a intenção deste site do TechNet. O IT ShowCase (http://bit.ly/f4QyKC) é fornecer esta ajuda. Já havia blogado anteriormente sobre os IPDs (Atualizado- Baixe todos os Infrastructure Planning and Design (IPD) guides da Microsoft JUNTOS !) que são documentos de referencia para novas implementações.

Porem a intenção dos documentos no IT ShowCase é fornecer dados balizados para a implementação de um produto, feature ou customização.

Por exemplo, no documento “Manage, Monitor, and Report: Implementing a Power Management Strategy with System Center Configuration Manager 2007 R3” (http://bit.ly/fh8eco) é possivel saber quantos watts e valores (U$) são economizados com a implementação do recurso de gerenciamento de energia pelo SCCM.

Veja a lista de novos documentos, atualizados agora em fevereiro:

Bom proveito e guarde o link principal, sempre há atualizações !!!

Posted: fev 11 2011, 22:29 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'cpp'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Redução de Custos com Azure Reserved Instance

A alguns meses, em Julho, abordamos o uso de formas de licenciamento alternativas para reduzir custos com o Azure usando CPP e AHUB em http://www.marcelosincic.com.br/post/Software-Asset-Management-(SAM)-Convertendo-Licenciamento-para-Azure.aspx

O CPP (Compute Pre-Purchase) é um recurso muito bom por permitir comprar um pacote de horas para determinado tipo de instância de VMs no Azure.

Mas a Microsoft surpreendeu a algumas semanas o grupo de MVPs e time comercial com informações sobre uma nova oferta, o Reserved Instance: https://azure.microsoft.com/en-us/pricing/reserved-vm-instances/

image

Segue um resumo que montei para explicar as diferenças principais entre os modelos:

​Como é no CPP

​Como será o Reserved Instance (RI)

​Cliente compra o perfil de VM por 12 meses

​Compra pode ser por 12 ou 36 meses

​Não se compra uma VM especifica e sim um pacote de horas (744 horas) de um determinado tipo de instancia

​Compra de um perfil especifico de uma VM

​Não é possivel cancelar e fazer um upgrade do perfil da VM

​É possivel revender para outro cliente pelo portal como é na AWS, ou vender para a própria MS. Existe um deságio de ~12% que ainda será publicado

​Oferece desconto de 30 a 50%

​Oferece desconto de 40 a 70%

​É comprada por SKU e por meio de um LSP

​É adquirida pelo próprio cliente no portal, administrado por ele e debitada dos Monetary Commitment

É necessário utilizar um contrato de volume como EA ou MPSA

​Por ser baseado em Monetary Commitment, permite qualquer tipo de pagamento

​Cada SKU é de uma região (Datacenter) e não pode ser alterada

​Cliente pode mover para outras regiões pelo portal do Azure

Fique atento ao GA do Reserved Instance por utilizar o link no inicio deste artigo.

Posted: out 25 2017, 01:51 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Software Asset Management (SAM)–Convertendo Licenciamento para Azure

Este tópico é relevante no momento em que estamos de migração para Cloud Publica em muitas empresas.

Dando continuidade a série sobre SAM, vamos pular alguns outros tópicos e dar atenção a Azure. Para ver a lista de assuntos que já abordamos acesse http://www.marcelosincic.com.br/post/Software-Asset-Management-(SAM)-com-System-Center-Configuration-Manager.aspx

Atualização: Conheça o Reserved Instance no artigo http://www.marcelosincic.com.br/post/Reducao-de-Custos-com-Azure-Reserved-Instance.aspx

1 – Utilizando o Licenciamento Normal para VMs Windows (SPLA)

Ao criar maquinas virtuais no Azure já é possivel definir que o sistema operacional é Windows e pagar o licenciamento embutido como parte do serviço.

Esse modelo de licenciamento é chamado de SPLA e permite a um provedor (não existe apenas no Azure) licenciar VMs como serviços faturado ao invés do cliente comprar a licença perpétua como acontece em ambientes on-premisse.

O custo desse licenciamento é medido por comparar valores de VMs iguais com Windows e Linux em https://azure.microsoft.com/pt-br/pricing/details/virtual-machines/linux/ e https://azure.microsoft.com/pt-br/pricing/details/virtual-machines/windows/

No dia que montei esse post o valor hora de uma VM D2 v2 Linux é de U$ 0,159 e a mesma VM com Windows U$ 0,251. Ou seja uma diferença de 43% no preço da VM.

Por essa diferença de preço que temos opções de usar outras formas de licenciamento que falaremos a seguir.

2 – Utilizando AHUB (Azure Hybrid Use Benefit)

O AHUB nada mais é do que usar a sua licença já comprada em contrato com Software Assurance (SA) no Azure e assim não pagar o licenciamento SPLA.

Note porem que sua licença deve ter SA contratado, ou seja o direito de atualização e virtualização. Se não conhece o SA veja o post http://marcelosincic.com.br/post/Software-Asset-Management-(SAM)-com-System-Center-Configuration-Manager-Windows-Desktop.aspx onde temos um tópico sobre isso.

No caso de usar o AHUB a diferença de preço calculada no item anterior não existe, já que o licenciamento passa a ser feito em contratação em Enterprise Agreement, MPSA ou mesmo OPEN. O tipo de contrato depende do valor e é adquirido junto a um parceiro de licenciamento Microsoft (LSP).

image

A Microsoft já disponibiliza os templates para VMs AHUB mas tambem é possivel usar PowerShell com o parametro –licencetype. No caso se usar o portal, basta criar a VM informando isso:

image

Porém é importante ressaltar que o AHUB é uma maquina Windows criada com a camada de preço do Linux e não é possivel fazer a alteração pelo portal. Ou seja, será necessário recriar a VM caso ela já exista no modelo normal.

Claro que existem formas mais fáceis:

  1. Deleta a VM, mas não delete o disco
  2. Crie uma nova VM como AHUB
  3. Anexe o disco da VM que foi deletada

3 – Utilizando CPP (Compute Pre-Purchase)

O CPP é um velho conhecido de quem usa AWS, com o nome de RI (Reserved Instance), mas com uma diferença. Veja o link a seguir, mas ele não tem muitos detalhes: https://azure.microsoft.com/pt-br/overview/azure-for-microsoft-software/faq/

Enquanto no AWS o cliente compra uma VM de determinado tipo/camada, no CPP do Azure o cliente compra horas de computação de determinado tipo/camada de VM, seguindo algumas regras:

  • Equivalem a compra de 744 horas de um deterninado tipo de VM
  • São compradas por 12 meses independente do aniversário do contrato (não tem pró-rata)
  • Não são vinculadas a uma VM especifica, funciona como um abatimento nas horas totais
  • Não podem ser utilizadas ou realocadas para outros tipos de VM como se fosse proporcional
  • É paga upfront, ou seja o valor de 12 meses

A redução de custo é significativa, mas o valor depende do tipo de contrato que o cliente possui e o nivel de desconto, em alguns casos chega a 60% para clientes EA.

Para entender o cáculo, vamos usar uma tabela simples de custo HIPOTÉTICO:

VM Quantidade Horas Total Valor Normal Comprado em CPP Pago em Commitment Economia
D2 v2 5 3200 3200 horas a U$ 0,251

U$ 803,20
3 VMs equivalente a 2.232 horas a U$0,16

U$ 357,12
Saldo de 968 horas

U$ 242,96
U$ 203,12

Mais uma vez é importante ressaltar que essas VMs não podem ser atribuidas a outro tipo, o CPP cobre por 12 meses 744 horas mensais de um deterninado tipo de VM.

Porem, alguns clientes utilizam o CPP para upgrade uma vez que a redução de custo permite com o mesmo valor já provisionado para Azure subir de 2 a 3 camadas as VMs já existentes!

4 – Utilizando CPP + AHUB

É possivel combinar o CPP com AHUB?     SIM!!!

Levando em conta que o cálculo acima do CPP foi hipotético, usamos o valor referencia de U$ 0,251 para VMs Windows no CPP com valor de U$ 0,16, ou seja uma VM com o licenciamento Windows SPLA.

Se juntar o desconto que o AHUB proporcional, você poderá comprar VMs Linux e usar o licenciamento que já possui em contrato, como exemplo o valor da mesma VM D2 v2 de U$ 0,159 Linux cairia para U$ 0,12 com Windows utilizando o licenciamento existente.

 

CONCLUSÃO

Com o CPP você pode economizar de 25 a 60% sem ter que fazer nenhum esforço, e com o AHUB você pode criar VMs muito mais em conta utilizando o contrato existente com Windows.

Claro que o CPP é muito mais atrativo, uma vez que ele não exige mudança no template da VM, mas tanto o AHUB quanto o CPP precisam ser incluidos em contratos de licenciamento.

Agora divirta-se, consulte seu parceiro de licenciamento e veja quanto poderá economizar com estas duas opções de licenças!!!

Posted: jul 18 2017, 15:48 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login